Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

Israel condena judeu ultraortodoxo por oferecer espionagem ao Irã

Israel condena judeu ultraortodoxo por oferecer espionagem ao Irã
28/01/2014 22:00 - Folhapress


Um tribunal de Israel condenou hoje a quatro anos e meio de prisão um cidadão judeu ultraortodoxo acusado de ter oferecido serviços de espionagem ao Irã.

O caso expõe as conivências ocasionais entre grupelhos judeus extremistas e o governo iraniano, que compartilham a mesma rejeição do Estado Judaico.

Segundo a Polícia, Yitzhak Bergel, 47, admitiu ter procurado iranianos com a proposta de espionar Israel em troca de dinheiro.

O contato foi feito em 2011, quando Bergel bateu à porta da Embaixada do Irã em Berlim, onde foi inicialmente recebido com ceticismo, de acordo com os investigadores.

Segundo o Shin Bet, o serviço de inteligência interno de Israel, Bergel afirmou aos iranianos que tinha "ódio ao Estado de Israel" e se disse disposto a "matar sionistas" referência à ideologia que defende a existência do Estado judaico em sua forma atual.

Bergel foi preso em Jerusalém há seis meses, após ser rastreado pelo Shin Bet. Ele foi processado por intenção de traição e contato com agente externo.

Não está claro se sua cooperação com o Irã prosperou.

Bergel é membro da seita Neturei Karta, que considera o estabelecimento de Israel uma heresia aos olhos da Torá. Integrantes desta seita, confinada a alguns milhares de adeptos, defendem a ideia de que o país dos judeus só terá legitimidade após a volta do Messias.

Rabinos da Neturei Karta visitaram o Irã diversas vezes, o que, segundo críticos, faz o jogo da propaganda iraniana, que diz rejeitar Israel mas respeitar o judaísmo, embora vários dirigentes iranianos, como o ex-presidente Mahmoud Ahmadinejad, tenham questionado o Holocausto e defendido o fim do Estado judaico.

O Irã abriga a segunda maior comunidade judaica no Oriente Médio, depois de Israel, com 20 mil membros.

Judeus iranianos têm liberdade para praticar sua fé e manter escolas judaicas, mas, em conversa reservada, muitos se queixam de discriminação. Eles não têm acesso a empregos públicos e enfrentam dificuldade para se destacar no mundo acadêmico. 

Felpuda


Partido está aos poucos montando a que vem sendo chamada de “chapa do quartel”, pois os pré-candidatos são oriundos da caserna. Há quem diga que os dirigentes da legenda ainda estão querendo pegar carona no “fenômeno Bolsonaro”, esquecendo-se que o presidente, embora vindo da área militar, está na política há 30 anos e o seu programa de governo agradou 57,7 milhões de eleitores. Dizem que tchurminha será obrigada a adicionar mais ingredientes no currículo, senão...