Quinta, 22 de Fevereiro de 2018

desvio na educação

Irregularidades paralisam obras e afetam alunos

16 NOV 2010Por Antonio Viegas, de Dourados00h:40

Com a prisão e o consequente afastamento do prefeito de Dourados Ari Artuzi, acusado de envolvimento em uma organização criminosa responsável por receber propinas, pagar “mensalão” a vereadores e fraudar licitações, começam a surgir diversas outras irregularidades apontadas por auditorias que estão em andamento em praticamente todas as secretarias municipais. Uma das principais é a Secretaria de Educação.

Relatório iniciado na administração do juiz Eduardo Machado Rocha, designado pelo Tribunal de Justiça para assumir o comando da prefeitura quando da prisão do prefeito, traz diversos indícios de esquemas fraudulentos no setor.

O documento, já encaminhado ao Ministério Público Estadual (MPE), aponta irregularidades em repasses de recursos para entidades que deveriam estar desenvolvendo projetos nas áreas de esporte e cultura com alunos de escolas públicas.

No entanto, a auditoria descobriu que uma dessas entidades não estaria cumprindo com o firmado no convênio. De uma relação de 15 escolas pelo menos três delas não eram beneficiadas. O valor total do repasse seria de R$ 332 mil, divididos em nove parcelas.

O curioso é que essa entidade teria sido criada em 2006 por Carlos Assis Bernardes, o qual foi seu primeiro presidente. Carlos Bernardes é conhecido como Carlinhos Cantor, que foi presidente da Câmara de Dourados, foi eleito vice-prefeito na chapa de Ari Artuzi e atualmente está preso na Penitenciária Harry Amorim Costa e afastado do cargo, assim como Artuzi.

Carlinhos é apontado também como um dos principais envolvidos nos crimes atribuídos a Artuzi na Operação Uragano. Ele também chegou a ser preso e denunciado em outra operação da PF, a Brothers.

Obras paralisadas
A prefeitura também tem enfrentado uma série de problemas devido à paralisação de obras de reforma e ampliação em pelo menos nove escolas. As obras, iniciadas na gestão de Artuzi, estão paradas por falta de pagamento às empreiteiras. Na maioria delas as crianças estão ocupando espaços improvisados ou se aglomerando em uma única sala para não ficar totalmente sem aulas.

As reformas tinham recursos do Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação), mas há indícios de que houve desvio dos valores, o que teria prejudicado as obras.

Materiais
As auditorias encontraram grande quantidade de móveis e equipamentos, adquiridos com recursos do Fundeb, abandonados em um depósito. A maioria foi adquirida em 2009 e 2010. Entre os móveis estão cadeiras giratórias, arquivos de aço, mesas, ferro elétrico e jogos de mesa e cadeira para refeitório infantil. Todos foram encaminhados para onde havia necessidade desses materiais e equipamentos.

Os levantamentos de enventuais irregularidades continuam em todas as pastas da prefeitura de Dourados. A intenção da prefeita interina Délia razuk é concluir essas auditorias até o fim deste ano e encaminhar à Justiça.

Leia Também