Irã pede ajuda à Turquia para libertar peregrinos reféns na Síria

Irã pede ajuda à Turquia para libertar peregrinos reféns na Síria
04/08/2012 23:00 - Terra


O ministro das Relações Exteriores do Irã, Ali Akbar Salehi, pediu a seu colega turco, Ahmet Davutoglu, a imediata intervenção da Turquia para a libertação de 48 peregrinos sequestrados neste sábado por homens armados na Síria, informou a agência oficial de notícias iraniana Irna. Em uma conversa telefônica, Salehí solicitou a Davutoglu a ajuda das autoridades turcas, que já intermediaram a libertação de cidadãos iranianos sequestrados na Síria desde dezembro do ano passado por grupos armados opositores ao regime de Damasco, o principal aliado árabe de Teerã.

Segundo a agência iraniana Fars, um funcionário sírio, cuja identidade não foi revelada, responsabilizou membros do Exército Livre Sírio (ELS) pelo sequestro dos peregrinos nos arredores do aeroporto de Damasco. Desde dezembro passado, 29 iranianos foram sequestrados por organizações armadas opositoras sírias, entre eles dois grupos de 11 peregrinos que foram capturados em janeiro e fevereiro respectivamente e posteriormente postos em liberdade com a mediação da Turquia.

Os sete sequestrados restantes são técnicos de uma empresa iraniana que trabalhavam em uma central elétrica perto da cidade síria de Homs, e cinco deles já foram libertados, o último no dia 29 de julho. No dia 31 de julho, sete membros do Crescente Vermelho do Irã foram sequestrados na cidade líbia de Benghazi, onde sua libertação continua sendo negociada.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".