Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Investimentos vão transformar MS em vendedor de energia

18 AGO 10 - 06h:32
Carlos Henrique Braga

A ampliação da infraestrutura energética do Estado vai dar mais segurança à instalação de novas indústrias e o tornará vendedor de energia, ao contrário do papel de comprador que ocupa hoje. Segundo o governo estadual, a instalação de Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) e termelétricas de biomassa, que têm a cana-de-açúcar como matéria-prima, vão incrementar a produção mensal em 1,8 mil MegaWatts (MW) até 2014. Metade será destinado ao consumo interno (estimado em 750 MW por mês); a outra parte será oferecida em leilões do Operador Nacional do Sistema (ONS). A meta, a longo prazo, é expandir a produção de energia em 3,7 MW.
A maior parte da nova energia será gerada a partir do bagaço e da palha da cana, em termelétricas instaladas nas usinas de açúcar e álcool que se multiplicam por aqui. A aposta do governo federal é que a bioenergia represente 14% da matriz nacional até  2020. Para isso é preciso sair dos atuais 1,8 mil MW (3%) para 13,1 MW.
Em MS, essas unidades produtoras serão interligadas à rede, como estão as hidrelétricas, outra aposta para turbinar a geração de energia.  A usina de São Domingos, por exemplo, avaliada em R$ 227 milhões, vai produzir, a partir de janeiro do próximo ano, até 48 MW por mês. A hidrelétrica, próxima à cidade de Água Clara, é construída por consórcio encabeçado pela Eletrosul, subsidiária da Eletrobras que opera na região Sul do País e Mato Grosso do Sul.
A construção de 1.291 quilômetros de linhas de transmissão, autorizada no governo André Puccinelli (PMDB) com recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), tornou possível o aumento na produção. Serão instalados linhões em quatro trechos, de Ilha Solteira a Chapadão do Sul, passando por Campo Grande. “Isso faz com que o Estado gere mais empregos porque vai atrair indústrias interessadas na estabilidade energética para operar”, explica o gerente de projetos de energia da Secretaria de Obras, Ildo de Oliveira Mariano.
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

ECONOMIA

Índice de Confiança do Empresário Industrial fica estável pelo 3º mês

ECONOMIA

Intenção de consumo das famílias cresce pelo terceiro mês

BRASIL

Governo libera orçamento de universidades federais

BRASIL

Bolsonaro sanciona lei com crédito suplementar para ministérios

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião