Terça, 20 de Fevereiro de 2018

Secretaria Nacional Antidrogas

Investimentos federais também contemplam cursos de capacitação

5 NOV 2010Por DANIELLA ARRUDA e THIAGO GOMES03h:20

Além das intervenções com vistas ao atendimento direto ao usuário de crack e outras drogas, a Secretaria Nacional Antidrogas (Senad) também está investindo na capacitação profissional de pessoas envolvidas nos projetos de enfrentamento, a começar pela implantação de 30 Centros Regionais de Referência para Formação Permanente aos profissionais que atuam nas redes de atenção integral à saúde e de assistência social com usuários de crack e outras drogas e seus familiares.

 

 

Também serão instituídos 50 módulos do Programa de Educação pelo Trabalho para Saúde (PET), destinados à capacitação continuada dos diferentes profissionais que atuam nas redes de atenção à saúde e assistência social a usuários de crack e outras drogas, com a participação de estudantes de graduação bolsistas.

Ainda no programa de enfrentamento está programada a abertura de 65 mil vagas para cursos de capacitação. São cinco cursos voltados para capacitação de pessoas que trabalham na prevenção, tratamento e reinserção social de usuários e dependentes, com investimentos de mais de 14 milhões.

O trabalho começou em outubro, quando a Senad iniciou o processo de inscrições para os cursos Supera, Fé na Prevenção, Capacitação para Conselheiros e Lideranças Comunitárias e Operadores do Direito (juízes, servidores e colaboradores do Poder Judiciário) e Prevenção para Educadores da Escola Pública.

Os cursos são ofertados gratuitamente na modalidade de Educação a Distância (EaD) e tem duração média de três meses. Os alunos recebem todo o material didático no endereço residencial, e passam a ter acesso ao ambiente virtual de aprendizagem com acompanhamento de tutores

Prevenção
Ontem, durante a abertura do Fórum Estadual de Políticas Antidrogas, o titular da Senad, general Paulo Roberto Yog de Miranda Uchoa, destacou a importância de se preparar novas lideranças para atuar na prevenção do uso de drogas, lembrando que o País deve fechar este ano com pelo menos 200 mil voluntários capacitados, entre educadores, conselheiros municipais e até religiosos, para que todos falem a mesma linguagem.

Até o momento, informou, 140 mil já passaram pela capacitação e outros 65 mil devem passar por curso até o fim do ano. "Quando você só pensa no dependente químico e no traficante, é porque a droga já agiu ou está agindo. Temos que pensar muito antes da droga agir e para isso é preciso fortalecer os conselhos, que cuidam da prevenção. É importante que as lideranças passem por esses cursos e se preparem, para poder ajudar o prefeito e o conselho municipal (antidrogas) a traçar políticas para o seu município", enfatizou. (DA e TG)

Leia Também