terça, 17 de julho de 2018

MUNDO

Inteligência sueca confirma que explosões foram terrorismo

12 DEZ 2010Por G1, com informações de agências internacionais08h:06


As duas explosões registradas no sábado (11) no centro de Estocolmo foram um “crime terrorista”, confirmou neste domingo (12) um responsável dos serviços de inteligência suecos. “Abrimos uma investigação por crime terrorista, conforme as leis suecas”, declarou em uma coletiva de imprensa Anders Thornberg, chefe do departamento responsável pelas medidas de segurança.
O imã da maior mesquita de Estocolmo, condenou as explosões ocorridas no sábado (11) no centro da capital sueca, que deixaram um morto e pelo menos dois feridos. Em uma mensagem enviada à agência TT, o xeque Hasán Musa, imã da mesquita de Sdermalm, condenou “todas as formas de ataque, de violência, de medos e de ameaças contra inocentes, independente de seus motivos ou pretextos”.
As duas explosões que ocorreram em uma zona comercial de Estocolmo, na Suécia, neste sábado (11), foram uma preocupante tentativa de ataque terrorista, segundo afirmou  o ministro sueco das Relações Exteriores, Carl Bildt, em mensagem publicada em sua página no serviço de microblog Twitter.
“Houve uma muito preocupante tentativa de ataque terrorista em um setor muito povoado do centro de Estocolmo, que fracassou, mas que seria realmente catastrófica”, escreveu Bildt.
As fontes policiais ainda não precisaram a causa das explosões, mas não descartaram a possibilidade de se tratar de dois carros-bomba, que estavam 400 metros separados. Um homem morreu e pelo menos duas pessoas ficaram feridas. Não foram divulgadas as identidades.
O local das explosões fica em uma região central da capital sueca e próxima ao Concert Hall, onde, nesta sexta-feira, ocorreu a entrega dos prêmios Nobel 2010.
Durante esta tarde, a agência de notícias sueca TT afirmou que recebeu, bem como a polícia, um e-mail dez minutos antes das duas explosões. A agência disse que a mensagem tinha arquivos de áudio em árabe e sueco, anexados.
Segundo a agência, a mensagem era direcionada ao país e aos suecos e falava sobre o silêncio da Suécia a respeito das caricaturas do profeta Maomé feitas pelo artista Lars Vilks e sobre a presença sueca no Afeganistão. A caricatura mostrava o profeta Maomé com corpo de cão.

Leia Também