Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

ECONOMIA

INSS antecipa 13º e injeta R$ 84 milhões na economia

INSS antecipa 13º e injeta R$ 84 milhões na economia
28/08/2010 04:52 -


Carlos Henrique Braga

O adiantamento de metade do abono de natal dos aposentados e pensionistas em agosto e setembro vai injetar cerca de R$ 84 milhões extras na economia de Mato Grosso do Sul. Somado ao benefício mensal, o valor salta para mais de R$ 250 milhões.  Para chegar a esse resultado, considera-se os 285 mil benefícios pagos em junho, data do último levantamento do Ministério da Previdência Social, quando R$ 169,1 milhões foram destinados aos aposentados de MS. O pagamento, que começou na última quarta-feira, segue até 8 de setembro.
Segundo nota do ministério, é a quinta vez que a Previdência paga antecipadamente uma parcela dessa gratificação. A primeira foi em 2006, resultado de acordo firmado entre governo e entidades representativas de aposentados e pensionistas. O acordo estabelece que a antecipação ocorra até 2010. A continuidade dessa política será decidida pelo próximo governo.
A primeira parcela do abono representa injeção extra na economia brasileira de R$ 9 bilhões, além dos cerca de R$ 20 bilhões do benefício mensal. O desconto do Imposto de Renda (IR) informado no contracheque deste mês refere-se apenas ao valor do benefício mensal. De acordo com a legislação, o IR sobre o 13º só é cobrado em dezembro, quando é paga a segunda parcela da gratificação natalina.

Quem não recebe
Não tem direito ao 13º salário os seguintes benefícios: amparo previdenciário do trabalhador rural, renda mensal vitalícia, amparo assistencial ao idoso e ao deficiente, auxílio-suplementar por acidente de trabalho, pensão mensal vitalícia, abono de permanência em serviço, vantagem do servidor aposentado pela autarquia empregadora e salário-família.

Serviço
O extrato mensal de pagamento está disponível para consultas no site www.previdenciasocial.gov.br.

Felpuda


O sumiço de algumas figurinhas carimbadas da política não acontece em virtude da necessidade de isolamento como uma das formas de prevenção à pandemia. Em verdade, seria porque não têm mesmo o que e a quem falar. Com o advento das redes sociais, quem acha que fazer campanha eleitoral continua como na época do “eu prometo” está a um passo de ver o sonho de conquistar mandato se transformar em pesadelo. Pelo jeito, não estão nem conseguindo dormir.