CIDADES

Insegurança em postos de saúde pode originar demissão em massa

Insegurança em postos de saúde pode originar demissão em massa
25/02/2010 04:30 -


Sindicato dos Médicos de Mato Grosso do Sul (SinMed) não descarta a possibilidade de ocorrer uma demissão em massa por parte dos profissionais que atuam nos postos de saúde em Campo Grande. Segundo a presidente da entidade, Luzia Santana, essa seria uma das últimas opções e também uma forma de pressionar para que o poder público ofereça segurança aos trabalhadores que têm sofrido agressões durante atendimento. “Pedimos segurança, mas se não tiver jeito é demissão em massa porque é uma maneira de pressionar, mas nosso objetivo não é esse porque entendemos que a população precisa de atendimento”, explicou a presidente. Quanto à violência, ela garantiu que não é praticada somente contra médicos. “É com enfermeiro, corpo administrativo, guarda municipal. A violência está tão grande que uma hora pode acontecer um assassinato”, alertou. Ela disse que a categoria reivindica por segurança que pode ser garantida com o aumento no quadro de profissionais que, por sua vez, são atraídos com melhores salários. Luzia defende ainda que em cada posto de saúde tenha uma unidade policial não só para garantir a segurança do quadro de profissionais como também para registrar os casos de violência. Conforme a presidente, aproximadamente 500 trabalhadores atuam nos postos, no entanto, muitos já estão pedindo demissão para exercer a profissão em locais mais seguros como hospitais. “A escassez de pediatras e clínicos-gerais é porque eles procuram lugares mais seguros porque não adianta o médico ganhar R$ 10 mil e ter alguém com um revólver querendo atacá-lo”.
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".