Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

sábado, 23 de fevereiro de 2019 - 18h04min

Inhame contra a celulite

3 MAR 10 - 06h:13
OO inhame é um dos alimentos mais fantásticos que se conhece. Ele tem valor nutricional e medicinal conhecido há muito tempo. No começo do século já se usava elixir de inhame para curar sífilis. O inhame limpa o sangue fazendo com que as impurezas saiam por meio da pele, rins e intestinos. Médicos orientais recomendam comer inhame para fortificar os gânglios linfáticos, que são postos avançados de defesa do sistema imunológico. No Norte e no Nordeste do País, o inhame faz parte do cardápio diário. Por lá, esse tubérculo está presente até no café da manhã. E deveria ser item obrigatório na dieta de todo brasileiro, especialmente das mulheres, e em qualquer idade. Só para listar alguns benefícios: ameniza cólicas menstruais e outros sintomas da TPM – a famigerada tensão pré-menstrual –, reforça as defesas do organismo e estimula a libido. Sua preocupação é com a balança? O inhame tem ação anti-inflamatória, deixando o organismo menos suscetível ao acúmulo de líquido e toxinas. Isso significa tirar da frente dois grandes inimigos do corpo em forma: gordurinha extra e celulite! O DHEA (dehidroepiandrosterona, hormônio esteróide natural, produzido a partir do colesterol pelas glândulas suprarrenais) existe naturalmente no organismo, especialmente até os 20 anos, e é responsável pela formação de 50 hormônios. Entre eles está o GH, o hormônio do crescimento. “No adulto, o GH estimula a queima de gordura abdominal e o ganho de músculo”, afirma a nutricionista Marcella Dantas. Mas o que mais chama atenção dos especialistas é a capacidade do tubérculo equilibrar os níveis do hormônio feminino progesterona. E, com isso, amenizar os sintomas da TPM (cólica, irritação, ansiedade) e da menopausa (ondas de calor, secura vaginal), além de reduzir o risco de perda óssea. Os benefícios do inhame, claro, só aparecem com o consumo frequente. O ideal é uma porção, no mínimo, três vezes por semana. Mas, por ser fonte de carboidrato, deve substituir o pão no café da manhã ou o arroz no almoço ou jantar. Inhame, cará ou taro? Em alguns lugares do Brasil o inhame é chamado de cará. Até aí tudo bem, pois é o mesmo tubérculo de nome científico Dioscorea villosa. É parecido com uma mandioca mais cheinha e alongada. Pequeno, redondinho e peludo, o taro (Colocasia esculenta) também costuma receber o nome de inhame, principalmente na região Sudeste. Mas é outro alimento. Os dois até têm vitaminas e minerais semelhantes. Porém, só o inhame oferece os efeitos terapêuticos apontados aqui.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

BRASIL

Governo informa que dois caminhões com ajuda entraram na Venezuela

BRASIL

Bolsonaro resgata medidas rígidas que foram propostas pelo PT

Comercial tropeça para Costa Rica e adia classificação
ESTADUAL 2019

Comercial tropeça para Costa Rica e adia classificação

VENEZUELA

'Dia D' de missão humanitária na Venezuela tem confrontos com militares

Mais Lidas