Campo Grande - MS, quinta, 16 de agosto de 2018

CAMPO GRANDE

Inflação tem alta moderada em fevereiro

3 MAR 2011Por da redação13h:04

A inflação na cidade de Campo Grande, no mês de fevereiro de 2011, teve uma moderada alta em relação ao mês de janeiro, da ordem de 0,64%, devido, principalmente, aos reajustes de preços administrados pelo governo. Dos sete grupos que compõem o Índice de Preços ao Consumidor (IPC/CG), somente o grupo Alimentação apresentou deflação (-2,27%). ”O grupo Alimentação, responsável por pressionar a inflação na Capital nos últimos meses perdeu fôlego, apresentando essa forte deflação. Os outros seis grupos apresentaram inflação”, informou o professor Celso Correia de Souza, que coordenada o Núcleo de Estudos e Pesquisas Econômicas e Sociais (Nepes) da Universidade Anhanguera-Uniderp.

Em fevereiro de 2011, o grupo Habitação apresentou uma moderada inflação de 0,81%, em relação ao mês de janeiro, principalmente, pelos aumentos nos produtos esponja de aço 10,73%, lâmpada 9,02%, forno microondas 6,73% e liquidificador 6,69%. Quedas de preços ocorreram com: ventilador (-6,98%), freezer (-6,43%) e televisor (-4,69%).

No índice de preços do grupo Alimentação ocorreu forte deflação de -2,27%. “Esse grupo que pressionou para cima a inflação da cidade nos últimos meses, em fevereiro inverteu a ordem puxando a inflação para baixo. Os produtos que tiveram as maiores altas de preços foram: salsa 24,91%, doces em calda 17,81%, chuchu 15,15%, beterraba 8,60%, entre outros com menores aumentos. Por outro lado, alguns produtos desse grupo tiveram quedas de preços significativas como: filé mignon (-18,98%), alcatra (-15,11%), batata (-14,97%), feijão (-14,14%) e picanha (-13,06%).

No item carnes, foram constatados aumentos de preços de alguns cortes e quedas em outros, destacando o filé mignon com queda de (-18,98%), alcatra (-15,11%), picanha (-13,06%) e contra-filé (-9,60%). Com altas significativas destacam-se: músculo 6,16%, vísceras de boi 3,05% e cupim 0,08%. Os cortes da carne suína apresentaram quedas significativas como bisteca suína (-6,92%), costeleta supina (-3,92%) e pernil (-0,36%). O frango congelado teve aumento de 1,18% e os miúdos 3,14%.

O grupo Transportes, de acordo com o coordenador o Nepes, apresentou forte alta de 2,90%, devido principalmente aos reajustes dos preços da mão de obra de oficinas de manutenção de automóveis de 12,78%, ônibus urbano de 8%, etanol 3,60%, automóvel novo 2,65% e gasolina 2,41%. Quedas de preços neste grupo ocorreram com pneu novo (-5,82%) e ônibus interestadual (-1,04%).

O grupo Educação, no mês de fevereiro teve forte alta de 1,43%, devido ao aumento de artigos de papelaria, que foi de 11,31%, Escolas Infantis 1,73% e Escolas de Ensino Fundamental 0,59%. “No mês de janeiro os artigos de papelaria já haviam aumentado em 6,02%, bem como algumas mensalidades escolares”, lembrou o pesquisador do Nepes, José Francisco dos Reis.

Já grupo Despesas Pessoais apresentou forte inflação da ordem de 2,02%. Aumentos de preços ocorreram com os seguintes produtos / serviços: jogos lotéricos 8,45% (Quina e Lotomania tiveram reajustes de 50%), cigarros 5,20% e produto para limpeza de pele 3,01. Com quedas de preços apareceram: papel higiênico (-3,96%), sabonete (-1,75%) e absorvente higiênico (-1,56%).

Inflação acumulada

A inflação acumulada nesses dois primeiros meses de 2011, na cidade de Campo Grande, foi de 2,05% e a inflação acumulada nos últimos 12 meses foi de 6,61%, acima do limite superior da meta inflacionária estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), que, para o ano de 2011, é de 6,5%. O centro da meta é de 4,5% com uma tolerância de ±2%. Com isso, o CMN tem reajustado seguidamente a taxa Selic, que regula os juros da economia do país, que já chega aos 11,75%.

Leia Também