Sexta, 23 de Fevereiro de 2018

CONTRIBUIÇÃO SINDICAL

Indústrias devem fazer recolhimento até o dia 31

3 DEZ 2010Por Da Redação 00h:01

As indústrias de Mato Grosso do Sul têm até o dia 31 de janeiro de 2011 para fazer a contribuição sindical patronal. As guias de recolhimento serão expedidas a todas as indústrias, aquelas que não as receberem poderão solicitá-las junto ao seu sindicato. Para as indústrias que venham a se estabelecer após o dia 31 de janeiro de 2011, o recolhimento deve ocorrer na ocasião em que requeiram às repartições o registro ou a licença para o exercício da respectiva atividade.

O recolhimento da contribuição sindical é obrigatório e deve ser feita de uma só vez, anualmente. As repartições federais, estaduais ou municipais não concederão registro ou licenças para funcionamento ou renovação de atividades para os estabelecimentos, nem concederão alvará de licença ou localização, sem que sejam exibidas as provas de quitação da contribuição sindical. Do valor arrecadado, 60% fica com o Sindicato, 15% com a Federação, 5% com a Confederação e 20% com o Ministério do Trabalho.

O recolhimento da contribuição sindical efetuado fora do prazo, quando espontâneo, será acrescido da multa de 10%, nos 30 primeiros dias, com o adicional de 2% por mês subseqüente de atraso, além de juros de mora de 1% ao mês e correção monetária, ficando, nesse caso, o infrator, isento de outra penalidade. A contribuição sindical patronal mantém o Sistema Fiems, composto pelos sindicatos patronais da indústria, que administra as entidades Sesi, Senai e IEL, proporcionando a união e a proteção dos sindicatos e das empresas filiadas.

Além disso, o Sistema Fiems, por meio da Assessoria Sindical, dá suporte à empresa, oferecendo defesa da categoria industrial, orientação técnica e econômica para a elaboração de projetos, orientação jurídica, representatividade e participação em cursos e seminários, acesso à exportação, aprimoramento de mão-de-obra, reciclagem de gerenciamento e intermediação nas negociações coletivas de trabalho.

Mais informações pelo telefone (67) 3324-1963

Leia Também