Domingo, 25 de Fevereiro de 2018

desenvolvimento

Industrialização precisa atingir todas as áreas

18 DEZ 2010Por Edivaldo Bitencourt04h:20

A Federação das Indústrias de Mato Grosso do Sul (Fiems) quer liderar um movimento para levar o desenvolvimento industrial para todas as regiões do Estado. Apesar do crescimento de 10% na geração de empregos e de 5% na instalação de novos empreendimentos, os municípios de quatro regiões sul-mato-grossenses - centro, fronteira, cone sul e norte - não sentem o boom econômico de áreas localizadas às margens dos rios Paraná e Paraguai.

O presidente da Fiems, Sérgio Longen, afirmou que é necessário elaborar um planejamento para definir uma política pública para ampliar as oportunidades de desenvolvimento industrial de todas as cidades. "Precisamos integrar para desenvolver", defende.

A necessidade é reconhecida pelo Governo estadual, que vem buscando meios de incentivar a instalação de novas indústrias nas demais regiões. Segundo o secretário estadual de Fazenda, Mário Sérgio Lorenzetto, a maior parte continua optando pelos municípios localizados nas "barrancas do rio Paraná". O principal beneficiado pela enxurrada de investimentos é Três Lagoas, que deverá receber mais R$ 15 bilhões nos próximos quatro anos e contar com mais duas grandes fábricas de celulose, a indústria de fertilizantes da Petrobras e uma siderúrgica.

Lorenzetto acredita que a industrialização chegará a todos os rincões com a melhoria na infraestrutura de Mato Grosso do Sul, que dobrará a oferta de energia elétrica e barateará o frete com a construção de duas ferrovias, entre Dourados e São Paulo e os portos de Porto Murtinho e Paranaguá (PR).

O setor industrial de Mato Grosso do Sul encerra o ano de 2010 com crescimento de até dois dígitos na geração de empregos. Segundo o levantamento do Radar Industrial da Fiems, neste ano, o número de trabalhadores nas indústrias cresceu 10,4%, de 103,3 mil para 114 mil, a quantidade de indústrias instaladas aumentou em 5%, saindo de 9.075 para 9.512, o PIB Industrial teve elevação de 11,04%, de R$ 4,66 bilhões para R$ 5,18 bilhões, e as exportações subiram 58%, de US$ 1,2 bilhão para US$ 1,9 bilhão até novembro.

Da mesma forma, as projeções para 2011 indicam que este elevado ritmo de crescimento deverá ser mantido. "Os números demonstram que MS está no caminho certo. O sistema Fiems avança cada vez mais no propósito de dar apoio integral à produção com ações de qualificação de mão de obra, educação do trabalhador, e representatividade institucional", avalia Longen.

Para manter este ritmo, ele defende um trabalho integrado entre o Governo estadual, a entidade e as prefeituras para qualificar mão de obra e atrair novas indústrias. "Não podemos restringir o aproveitamento das nossas potencialidades a uma ou outra região", alerta o presidente.

Leia Também