quinta, 19 de julho de 2018

TURISMO

Indústria turística está de olho nas classes médias de emergentes

8 NOV 2010Por 17h:39

Conquistar as crescentes classes médias das potências emergentes, especialmente Brasil e outros países conhecidos pelo acrônimo BRIC, será um dos objetivos da indústria turística nos próximos cinco anos, segundo o primeiro relatório do World Travel Market. Os países emergentes são uma das principais oportunidades de crescimento para quase a metade (47%) dos profissionais do setor de viagens e do turismo indagados nesse primeiro estudo divulgado na inauguração desta importante feira turística em Londres.

Para 55%, estes países, liderados pelo Brasil, Rússia, Índia e China - que representam a metade da população mundial e lideram o crescimento -, já houve um impacto positivo em seus negócios nos últimos 12 meses, quando o setor não se recuperou ainda totalmente da crise econômica mundial. Segundo a presidente do WTM, Fiona Jeffrey, estes países são o futuro da indústria turística por seu potencial crescimento, junto, em menor medida, com as ricas monarquias petroleiras do Golfo. "As classes médias emergentes com vontade de viajar nos BRIC e a riqueza dos países do Golfo fazem dessas economias o futuro da indústria turística e da viagem", explicou Jeffrey.

Este crescente interesse pelos BRIC, em detrimento dos países desenvolvidos da Europa e o Norte da América, acontece quando se calcula que a indústria turística não voltará aos níveis de demanda e de rendas de antes da crise até pelo menos 2016, sempre segundo este estudo inédito. Os BRIC deverão se beneficiar, por sua vez, de sua crescente notoriedade, especialmente o Brasil, que tem ainda um elemento a mais, a organização do Mundial de Futebol de 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016 no Rio de Janeiro. 

Além disso, os brasileiros se verão favorecidos, se as negociações prosperarem, por um ambicioso acordo para liberalizar o transporte aéreo com a UE (União Europeia), que, segundo o centro de estudos Euromonitor Internacional, vai supor um aumento do número de passageiros de 335.000 pessoas no primeiro ano.

 

(Informações da AFP)

Leia Também