Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Reduzir APPs

Indústria papeleira faz contraposta ao Código Florestal

27 MAR 11 - 20h:45Folha

O duelo entre cientistas e ruralistas na discussão sobre o novo Código Florestal tem mais um participante: o setor produtivo do papel.

Acompanhada de ONGs ambientalistas, a indústria papeleira apresentou na quinta-feira uma contraproposta ao projeto do novo código, cujo relator foi o deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP).

O documento, assinado por 30 empresas --incluindo as gigantes Suzano, Klabin e outras--, segue a linha do que estão propondo os cientistas para o novo código.

A ideia central é manter as chamadas APPs (áreas de preservação permanente), como no código que está em vigor, que é de 1965.

Isso significa não desmatar as margens de rios e córregos (até cinco metros de largura) e nem os topos de montanhas.

As APPs seriam reduzidas se a proposta de Rebelo for aprovada na Câmara.

De acordo com José Luciano Penido, da Bracelpa (Associação Brasileira de Celulose e Papel), as definições sobre APPs não afetam o setor de papel, que, hoje, trabalha exclusivamente com áreas de reflorestamento.

"O novo código não impactaria nosso setor. Mas, se for aprovado, haverá um impacto ambiental", diz.

"Essa discussão é puramente ambiental. De onde vem os polinizadores?", completa Beto Mesquita, diretor do IBio (Instituto BioAtlântica), signatário do documento apresentado.

Mas, além da preocupação ambiental, o setor produtivo trouxe algo que poderia adoçar um pouco a discussão: a indústria quer incentivos econômicos aos imóveis rurais que não desmatarem.

Essa é a principal mudança em relação à proposta apresentada pelos cientistas.
O documento será agora encaminhado a parlamentares e integrantes da discussão do novo código na Câmara dos Deputados.

A ideia é que mais empresas, também de outros setores, assinem a proposta.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

BRASIL

Tarcísio, ministro da Infraestrutura, vira queridinho de Jair Bolsonaro

BRASIL

Em resposta a Bolsonaro, Maia diz que presidente é quem agride nas redes sociais

Júri condena dois acusados de atacar judeus em 2005 em Porto Alegre
BRASIL

Júri condena dois acusados de atacar judeus em 2005 em Porto Alegre

BRASIL

Brumadinho: sobe para 212 o número de mortos identificados em tragédia

Mais Lidas