quinta, 19 de julho de 2018

MERCADO EXTERNO

Indústria muda ranking da exportação dos municípios

26 OUT 2010Por Edivaldo Bitencourt23h:58

A abertura de novas indústrias mudou o ranking da exportação nos municípios de Mato Grosso do Sul. Impulsionada pelo setor de celulose, Três Lagoas assumiu a liderança e ultrapassou os tradicionais exportadores, incluindo-se a Capital, Dourados e Ponta Porã. O fechamento de frigoríficos tirou do ranking dos 10 maiores exportadores os municípios de Anastácio e Nova Andradina, atingidos pela crise do grupo Independência, que está em recuperação judicial e desativou as três unidades no Estado.

O maior destaque é Três Lagoas, que exportou US$ 507,4 milhões de janeiro a setembro deste ano, contabilizando aumento de 46% em relação ao total comercializado em 2009, quando foram US$ 347 milhões. Além da celulose, que responde por 73,9% das exportações (US$ 375,3 milhões), o município vendeu US$ 117,9 milhões em óleo e grãos de soja e US$ 9,3 milhões em carne bovina.

O segundo lugar está com Corumbá, com US$ 304,9 milhões. A cidade sente o reflexo da recuperação mundial do mercado de minério, responsável por 83,7% (US$ 247,2 milhões) das exportações corumbaenses. Já a Capital, com US$ 230,3 milhões em nove meses deste ano, está com as vendas externas baseadas nos frigoríficos, que ficaram com 81,7% do total (US$ 188,2 milhões).

Redução
Dourados exportou US$ 96,3 milhões neste ano, principalmente, grãos e óleo (60%) e suínos (22,7%). A segunda maior cidade do Estado já chegou a exportar US$ 286,9 milhões em 2008, mas as vendas externas estão em queda. O município sofre os reflexos da falência da Coagri, maior cooperativa agrícola do Estado. Além da redução de 56% na venda de soja (de US$ 133,9 milhões para US$ 58,1 milhões), a cidade chegou a exportar US$ 47,8 milhões em cortes de aves.

Ponta Porã ficou em 5º lugar, com US$ 92,5 milhões, mas com um mix bastante diversificado, sendo os principais soja (32,7%) e cerveja (7,1%). Impulsionado pelo frigorífico do Bertin (JBS) e pela usina de açúcar, Naviraí assumiu a 6ª posição, com US$ 81,2 milhões. A venda de cortes bovinos somou US$ 67,3 milhões (82,8%) e açúcar, US$ 10 milhões (12,4%).

Frigoríficos
A industrialização da carne levou Batayporã ao 7º lugar no ranking sul-mato-grossense, com US$ 71,3 milhões, com aumento de 10% em relação aos 12 meses de 2009 (US$ 64,4 milhões). A agroindústria garantiu a 8ª colocação para Chapadão do Sul, com US$ 54,5 milhões, e a 9ª para Sidrolândia, com US$ 49,1 milhões. No entanto, Chapadão está em ascensão, com a economia baseada na soja (US$ 51,1 milhões) e algodão (US$ 3,2 milhões).
Já Sidrolândia, apesar do forte processo de industrialização, está em declínio nas vendas externas. O principal fator é a redução de 57% na venda de galos e galinhas em relação a 2008, de US$ 106 milhões para US$ 45,1 milhões neste ano.

Leia Também