Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, quinta, 15 de novembro de 2018

MINISTRO DA FAZENDA:

Indústria é setor mais afetado pela crise

4 JUL 2012Por Terra11h:12

O setor mais afetado pela atual crise mundial é a indústria, afirmou nesta quarta-feira o ministro da Fazenda, Guido Mantega. Citando o Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês), ele argumentou que os gerentes de compras preveem que a indústria vai desacelerar. "E ela está indo para baixo não só nos países europeus, mas na China e no

Brasil também", afirmou ele, durante um seminário econômico promovido pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e pelo Grupo de Líderes Empresariais (Lide).
Apesar de parecer menos intensa do que em 2008, a atual crise econômica mundial é tão grave quando a anterior, na opinião do economista. "Em 2008, a crise começou com grande estresse, que começou com um credit crunch, uma parada súbita do crédito e do comércio. Agora a crise começa mais lentamente e vai se agravando, e produzindo os mesmos efeitos deletérios da crise daquele momento", disse ele.

A diferença, segundo ele, é na possibilidade de intervenção. "Antes, o epicentro era nos Estados Unidos, onde nós tínhamos o FED (Federal Reserve, banco central americano) que tinha agilidade e rapidez para enfrentar a crise que o Banco Central Europeu não tem", analisou, prevendo um cenário pessimista. "Os grandes problemas não estão resolvidos, longe disso. Nós continuaresmos com um quadro de recessão na União Europeia, de baixo crescimento nos Estados Unidos. O desemprego é recorde na União Europeia, está mais de 11% em média nos EUA, portanto os países avançados não estão transmitindo dinamismo ao mundo, e isso já afetou os países emergentes".

Mantega completou ainda, afirmando que a crise que não deve ser solucionada no curto prazo, porque "infelizmente os europeus são lentos para a resolução do problema". "Eu entendo, são vários países, têm problemas políticos, têm os parlamentos, mas com isto eles só resolvem o problema na beira do precipício. É assim, quando a coisa está estourando, eles vêm com uma solução que poderiam ter tomado tempos atrás e evitado esse agravamento", disse.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também