Campo Grande - MS, quinta, 16 de agosto de 2018

VESTUÁRIO

Indústria deve crescer até 12% e gerar 7 mil empregos

10 ABR 2011Por ROSANA SIQUEIRA00h:01

Com crescimento estimado de 8% a 12%, a indústria do vestuário vai contar até 2012 com mais 12 empresas no setor de confecções e têxtil na Capital e quase 7 mil novas vagas. Somente neste ano a demanda é por 1,8 mil pessoas.

Entre as novas empresas estão a Guedes Indústria e Exportação que será a primeira fiação da cidade e a TDB Têxtil - Tip Top que vai entrar no ramo de tecelagem. Juntas, as indústrias tem previsão de investir R$ 34,5 milhões. Com estas duas fábricas, segundo o presidente do Sindicato das Indústrias do Vestuário (Sindivest) José Francisco Veloso, a Capital terá a cadeia produtiva do setor completa. "Isto é pela demanda, pela localização geográfica e pelo incentivo fiscal que o Estado oferece, que é um dos melhores do Brasil", destaca Veloso. 

Segundo ele a Guedes já está erguendo sua fábrica de fiação e tingimento. No entanto suas atividades na Capital começarão antes do final das obras, estimadas para abril de 2012. A empresa deve iniciar operações em galpões alugados ainda em maio e será a primeira indústria de fiação da Capital. Produzirá fios tingidos, naturais, sintéticos e mistos. Tem previsão de 4,1 mil toneladas por ano, gerando um faturamento em torno de R$ 60 milhões por ano.

A TDB Têxtil – Tip Top vai construir a tecelegam de 7,5 mil metros quadrados ao lado da indústria de confecções da mesma marca que já opera há seis anos na Capital. A empresa tem hoje 240 funcionários. A previsão é, que com a tecelagem, este número suba para 10 milhões de peças de roupas infantis por ano no Estado. A nova indústria vai produzir mil toneladas de tecido por ano, e deve faturar R$ 200 milhões/ano.

Além dessas empresas, o presidente do Sindivest frisa que mais três grandes indústrias que vão para Pólo empresarial Oeste: Cativa Têxtil que vai começar a construir sede própria para 600 funcionários; Cabriolli que já está com operações iniciando na fábrica nova, em torno de 300 colaboradores, e a Shoulder que atua também em local provisório e investirá em roupas finas.

SETOR

Atualmente pelo cadastro da Federação das Indústrias existem 450 indústrias no setor de confecções (sendo 420 pequenas e 30 médias e grandes), 5 de fiação e seis de tecelegam.

 

Confira o aúdio:

Leia Também