Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

domingo, 17 de fevereiro de 2019 - 13h00min

Indústria automobilística pode sofrer com a falta de peças

8 AGO 10 - 09h:18
São Paulo

Fornecedores de peças não acompanharam o ritmo de crescimento da indústria de automóveis nacional. Reportagem da edição desta semana da revista Isto É Dinheiro mostra que as fábricas poderiam produzir 900 mil veículos neste ano, mas faltam peças nas linhas de montagem.
O vice-presidente da Renault do Brasil, Alain Tissier, disse à publicação que “a cadeia automobilística está no limite. Os fornecedores não têm conseguido acompanhar o nosso ritmo”.
De acordo com a publicação, o setor de autopeças chegou ao limite e é incapaz de atender aos pedidos das montadoras, que operam perto de 90% da capacidade instalada e não param de fazer pedidos, mesmo quatro meses depois do fim da redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para incentivar o consumo.
“É fato que existem alguns problemas com alguns segmentos, principalmente pneus e peças fundidas e forjadas”, admitiu à revista o presidente da Fiat e da Anfavea, Cledorvino Belini, na quinta-feira 5.
Dados da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), usados pela reportagem, mostram aumento de 18,3% na produção de veículos entre janeiro e julho, em comparação ao mesmo período de 2009.  Para o ano, a previsão é de 3,4 milhões de veículos. As vendas internas bateram o recorde histórico do mês de julho e atingiram 315,9 mil unidades. Já as exportações dispararam 85,4% no mês passado, na comparação anual, um movimento de clara reação dos mercados internacionais.
A reportagem apurou falta de componentes fundamentais entre fornecedores, como pneus, estofamento e lâmpadas. “Apesar dos US$ 12 bilhões de investimentos programados pelas montadoras para os próximos três anos e do maior nível de emprego nas fábricas em 19 anos (132,1 mil trabalhadores), são entraves como esses que podem interromper os sucessivos recordes de venda”, traz a revista.
“Alguns fornecedores não têm a mesma habilidade de acelerar a fabricação como nós. Se continuar assim, poderemos buscar peças lá fora”, disse à Isto É Dinheiro o presidente do Sindipeças, Paulo Butori.
Ele afirmou ainda que, as fundições, forjarias e estamparias estão, em alguns casos, com dificuldades para atender pedidos adicionais porque têm contratos a cumprir no mercado externo.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Crianças são encontradas mortas em desabamentos após temporal
INTERIOR SP

Crianças são encontradas mortas em desabamentos após temporal

PREÇOS DOS COMBUSTÍVEIS

Após três quedas seguidas, gasolina volta a subir em Campo Grande

Etanol apresentou redução e diesel ficou estável, segundo ANP
Candidatos chegam mais cedo por preocupação com mudança no horário
CONCURSO PÚBLICO

Candidatos chegam mais cedo por preocupação com horário

Em janeiro, 490 empresas foram abertas em Mato Grosso do Sul
ECONOMIA REGIONAL

Em janeiro, 490 empresas foram abertas em Mato Grosso do Sul

Mais Lidas