Quarta, 21 de Fevereiro de 2018

BALANÇO OFICIAL

Indonésia já registra 179 mortos após tsunami e erupção

27 OUT 2010Por ESTADÃO08h:08

O número de mortes provocadas por um tsunami e um vulcão na Indonésia chegou hoje a 179, segundo um balanço oficial. Autoridades locais apelaram por ajuda, após uma onda gigante atingir uma cadeia de ilhas e um vulcão entrar em erupção menos de 24 horas depois, deixando ainda milhares de desabrigados. 

Vilas inteiras foram varridas e casas foram destruídas por ondas causadas por um terremoto de magnitude 7,7 que, na noite de segunda-feira, atingiu a costa oeste da ilha de Sumatra, em uma região de falhas geológicas conhecidas como Círculo de Fogo do Pacífico.

 Pelo menos 154 pessoas morreram e cerca de 400 estão desaparecidas por causa do terremoto, disseram funcionários. "Eles perderam suas casas e agora precisam de muita ajuda e assistência", disse o chefe do setor de gerenciamento de desastres da província de Sumatra Ocidental, Harmensyah. "Há algumas barracas já chegando, mas precisamos de muito mais", afirmou ele. "Nós precisamos achar as pessoas desaparecidas o mais rápido possível. Alguns deles podem ter fugido para as montanhas, mas muitos devem ter sido levadas pela água." 

A centenas de quilômetros de distância, na ilha de Java, centro do país, mais 25 pessoas morreram quando o vulcão mais ativo da Indonésia, o Monte Merapi, entrou ontem em erupção, lançando gás e lava para o céu. Funcionários disseram que quase 29 mil pessoas deixaram suas casas e foram para abrigos temporários nas proximidades da cidade próxima de Yogyakarta, mas existe o temor sobre o destino dos milhares que se recusaram a deixar suas residências. 

O presidente Susilo Bambang Yudhoyono reduziu uma visita ao Vietnã para um encontro de líderes do Sudeste Asiático e estava a caminho das Ilhas Mentawai, onde deve chegar amanhã, segundo funcionários. 

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, que viveu na Indonésia quando era criança e deve retornar ao país no mês que vem durante um giro pela Ásia, demonstrou tristeza diante das mortes e ofereceu ajuda norte-americana.

Leia Também