Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, sexta, 14 de dezembro de 2018

Índio é executado a tiros em Aral Moreira

6 ABR 2010Por 21h:03

EDILSON JOSÉ ALVES, PONTA PORÃ

 

Um indígena que até ontem à tarde não tinha sido identificado foi encontrado morto com vários tiros na cabeça, em Aral Moreira. Ele foi morto em uma chácara situada a poucos quilômetros do perímetro urbano. Segundo informações policiais, o indígena, aparentando ter cerca de 25 anos, foi localizado no domingo à noite por um pescador no interior da chácara que está situada a cerca de 5 quilômetros do centro de Aral Moreira. Ele trajava calça jeans e botas e foi executado com tiros na cabeça.

De acordo com a Polícia Militar, vários projéteis de arma de fogo de grosso calibre atingiram a cabeça da vítima. Uma equipe da Polícia Civil foi até o local para recolher material que poderá ajudar nas investigações. O corpo foi encaminhado para o Instituto Médico Legal de Ponta Porã para ser submetido ao exame de necropsia.

Por outro lado, em Pedro Juan Caballero, Doris Estela Alvarenga de Arar, de 51 anos, foi vítima de um segurança embriagado que conduzia uma motocicleta. Doris dirigia um veículo Corsa no momento em que o segurança identificado como Francisco Lopes Maciel, de 50 anos, colidiu com sua motocicleta.

Muito alterado, Maciel sacou um revólver e disparou várias vezes contra a mulher, que foi morta na frente das filhas Karine Yamile, 23 anos, e Kamile Yanina, de 20 anos. O autor presta serviços para a empresa de segurança "Los Guardianes" e já tem passagem por crime de roubo.

Outro crime de homicídio registrado em Pedro Juan Caballero, na fronteira com Ponta Porã, aconteceu na Rua Callejón Genes na noite de domingo. O adolescente R.A.B.M., de 17 anos foi morto por dois desconhecidos que ocupavam uma motocicleta. Eles dispararam várias vezes, sendo que quatro projéteis atingiram a vítima, que morreu no próprio local.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também