Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Indígenas fazem protesto em rodovia e cobram mudanças em obras

27 AGO 10 - 18h:36
Fábio Dorta, Dourados
e  MICHELLE ROSSI

Índios das aldeias Jaguapiru e Bororo bloquearam parcialmente, na tarde de ontem, a rodovia MS-156 entre Dourados e Itaporã. O trecho está sendo duplicado e eles exigem mudanças no projeto original da obra para facilitar a entrada e saída da reserva indígena. A manifestação começou por volta das 14h e só terminou no final da tarde.
Os indígenas alternavam o fechamento da pista nos dois sentidos, mas nenhum motorista precisou ficar mais que dez minutos parado. Mesmo assim, por causa do grande fluxo de veículos, formaram-se longas filas, gerando reclamações.
Os índios apreenderam  um caminhão da empreiteira responsável pela obra, a CGR, que é sediada em Campo Grande. De acordo com os líderes da manifestação, a empreiteira teria se comprometido a construir uma rotatória em frente à entrada principal da reserva, mas a promessa não foi cumprida.
“Nós temos aqui muita gente que vai todos os dias à cidade para trabalhar ou estudar, e do jeito que a obra ficou será preciso dar uma volta muito grande para sair da reserva quando a duplicação estiver pronta. Queremos que isso seja revisto”, disse Isael Terena, que falou em nome dos manifestantes.
O Governo do Estado está duplicando a MS-156, entre Itaporã e Dourados. Além de duplicada, a pista está sendo iluminada em toda a extensão. A obra foi iniciada a partir de Itaporã e está praticamente concluída. No trecho ema que a rodovia corta a reserazzva serão construídas pistas auxiliares e também uma passarela para pedestres, mas os moradores também exigem uma rotatória.

MST ocupa
Cerca de 200 famílias do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) ocupam a Fazenda Guaçu, no distrito de Ipezal, em Angélica, localizada na MS-274. A invasão aconteceu nesta semana, mas há seis meses as famílias cercam a área. Esta é a única terra ocupada pelo MST em Mato Grosso do Sul, segundo informações da própria entidade. Mais 2 mil famílias estão nas redondezas de fazendas no Estado, nas cidades de Itaquiraí, Bela Vista e Japorã, mas não houve invasão.
Os acampados esperam a compra das terras pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Em regime de urgência, vereadores aprovam produtividade de médicos
CAMPO GRANDE

Em regime de urgência, vereadores aprovam produtividade de médicos

Vereadores aprovam "novo Proinc" por unaminidade
CAMPO GRANDE

Vereadores aprovam "novo Proinc" por unaminidade

Homem divulga pesca de Dourado <BR>e é multado em R$ 4,3 mil
REDES SOCIAIS

Homem divulga pesca de Dourado e é multado em R$ 4,3 mil

Câmara aprova projeto que adota postos de saúde
ADOÇÃO

Câmara aprova projeto que adota postos de saúde

Mais Lidas