'BRASIL SORRIDENTE'

Indígenas do Estado recebem unidades odontológicas móveis

Indígenas do Estado recebem unidades odontológicas móveis
27/07/2012 15:00 - DA REDAÇÃO


Duas Unidades Odontológicas Móveis (UOMs) foram entregues hoje (27) em Campo Grande pelo Ministério da Saúde para atendimento à saúde bucal de aproximadamente 70 mil indígenas atendidos pelo Distrito Sanitário Especial Indígena (DSEI) em Mato Grosso do Sul. Os índios serão beneficiados com vans que oferecem tratamento clínico odontológico e também serão realizadas ações de prevenção.

Cada uma das unidades fará até 350 atendimentos mensais. Conforme o chefe do DSEI em MS, Nelson Olazar, serão atendidas todas as 75 aldeias do Estado, porém, por precisar de atendimento odontológico especializado com mais urgência, os 22 acampamentos dos indígenas Guarani-Kaiowá terão prioridade. Em um ano, o total de trabalhadores contratados para atuar na Saúde Indígena no DSEI Mato Grosso do Sul aumentou 68%, o que significa que o número de profissionais foi de 444 para 750. Os investimentos fazem parte do programa “Brasil Sorridente Indígena”.

As unidades móveis contam com um consultório odontológico equipado com cadeira odontológica, kit de pontas, cadeira do dentista, refletor, amalgamador e fotopolimerizador, materiais que fazem o preparo dos produtos utilizados nas restaurações dos dentes, raio-X odontológico e autoclave para esterilização do material. Todas possuem ar-condicionado, pia para lavagem das mãos, reservatórios de água, armários para armazenagem de material e, acoplado ao veículo e uma carroceria que carrega um gerador. 

(Com informações do Ministério da Saúde)

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".