Sábado, 24 de Fevereiro de 2018

Indígena idoso é decapitado em aldeia

22 OUT 2010Por 03h:05

MICHELLE ROSSI

O índio Ângelo Roque Vilhalva, 71 anos, foi morto e decapitado na Aldeia Tey Kuê, na cidade de Caarapó, região sul do Estado. O crime aconteceu na noite de quarta-feira. Em 2010 foram registrados três homicídios na comunidade que abriga indígenas da etnia guarani.
No episódio de quarta-feira, os supostos autores do crime foram identificados e rendidos pelo próprio cacique da aldeia e entregues à polícia. São eles: Gilberto Almeida, 24 anos; Mário Vera, 32; e um menor de 16 anos. Todos são indígenas. Também foram apreendidos uma faca, dois facões, uma foice e uma barra de ferro que teriam sido usados na prática do crime.  
Conforme relatos da Polícia Civil, a casa do idoso foi encontrada com marcas de sangue e massa encefálica espalhada pelo chão – as evidências foram coletadas mesmo depois de o imóvel ter sido parcialmente queimado pelos assassinos.
O corpo e a cabeça da vítima foram localizados em um poço desativado, a 50 metros da residência. Havia várias perfurações no corpo do idoso e a Polícia Civil não conseguiu identificar a motivação do crime.  

Outros casos
Em setembro, Rubens Vera, 45 anos, foi assassinado a facadas na Aldeia Tey Kuê e na ocasião, também houve prisão em flagrante de João Paulo, 38 anos. O autor teria praticado o homicídio em razão de um “feitiço” – segundo anotações no boletim de ocorrência – feito por parte da vítima para que o agressor fosse abandonado por sua mulher.
Antes dessa ocorrência, em 14 de junho, Galdio Paim, 24 anos, foi encontrado morto na aldeia guarani e o suspeito da prática do delito, Alanir Garcia, 29 anos, foi detido em flagrante. A alegação do acusado à época era de que ele é inocente e a vítima tomou a arma de sua mão e se matou com um tiro.
Todos os suspeitos da prática de homicídio e mortos relatados na matéria são indígenas e as prisões aconteceram na própria comunidade. Os casos são investigados pela Polícia Civil de Caarapó.

Campo Grande
Por outro lado, depois de ter sido esfaqueado na manhã de quarta-feira, em frente ao Complexo da Ferrovia, na Avenida Calógeras, em Campo Grande, morreu às 18h56min do mesmo dia, Igor Malheiros Batista, 29 anos. Ele foi socorrido e passou por uma cirurgia na Santa Casa, mas não resistiu aos ferimentos. Foram três perfurações no pulmão, provavelmente causadas por uma faca.   
De acordo com o irmão de Igor, que prestou depoimento à Polícia Civil, o rapaz era usuário de drogas e havia cinco anos que “vivia nas ruas”. Suspeitos ainda não foram localizados e o caso está sendo investigado pelo 1º Distrito de Polícia Civil.

Leia Também