Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Incompreensível

7 ABR 10 - 23h:15
No comunicado oficial em que anunciou ontem que as tarifas de energia na área atendida pela Enersul no Estado, a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) informou que a medida afetará 634.874 unidades consumidoras de 72 municípios. No balanço que a empresa publicou em 18 de março, porém, ela informa que tem 785 mil clientes, em 73 municípios. Trata-se de uma diferença superior a 150 mil consumidores, além de um município. Se esta disparidade de números tem alguma relação com o índice do reajuste, não está claro. Porém, se uma agência de tamanha importância, que tem o poder de decidir sobre a arrecadação de uma empresa que no ano passado obteve lucro líquido de R$ 78 milhões, não sabe nem mesmo a quantidade de consumidores da distribuidora, ou informa números equivocados, todo o seu trabalho certamente é passível de questionamentos.

    Porém, não é somente na Aneel que parece imperar a absoluta "ignorância" sobre o reajuste da tarifa de energia elétrica. O Conselho de Consumidores da Enersul (Consen), que surgiu durante a CPI da Enersul e que ainda é composto por técnicos que à época ajudaram a detectar erro que renderia quase R$ 200 milhões aos cofres da distribuidora, estimava que a energia deveria sofrer retração da ordem de 6%, pois em torno de R$ 78 milhões ainda deveriam ser devolvidos durante os próximos 12 meses. O deputado estadual Marquinhos Trad, outro que se especializou em acompanhar as contas de energia, é outro que previa redução, em índice parecido ao do Consen. A própria Enersul, ao apresentar suas contas, admitiu que os consumidores teriam direito a redução de 0,43%.

    Surpreendentemente, porém, os diretores da Aneel decidiram que todos erraram e que os moradores dos 73 municípios terão de pagar mais caro e responsabilizaram o próprio poder público, que aumentou a Conta de Consumo de Combustíveis (CCC), pela decisão. A estupefação diante do anúncio da agência aumenta ainda mais a partir do momento em que a entidade concede redução média 2,55% para os consumidores atendidos pela Cemat, em Mato Grosso, e retração média de 1,48% para mais de 6,9 milhões de clientes da Cemig.  Na área coberta pela CPFL, em São Paulo, a queda média será de 5,69%. Nenhuma delas tinha dívidas a pagar aos consumidores, como foi o caso de Mato Grosso do Sul, e lá também a tal da CCC tem o mesmo peso. Aqui, não fosse a restituição, a alta superaria os 8%, em média.  E, não se pode ignorar o fato de que a tarifa em Mato Grosso já é inferior à praticada na maior parte de Mato Grosso do Sul. Outro agravante em relação ao anúncio feito ontem é que o setor industrial, por exemplo, sentirá aumento médio de 6,16% a partir de amanhã, o que acabará impactando o custo de vida como um todo.

    Embora ninguém mais saiba absolutamente nada sobre as contas da Aneel, caso seja confirmada a previsão de que no próximo ano virá tarifaço da ordem de 25%, a energia daqui voltará, disparada, a ocupar o topo do ranking das 56 distribuidoras do País. Até ontem ela estava em 12º lugar e a partir de amanhã deve voltar a figurar entre as sete primeiras colocadas, apesar dos tão propalados efeitos positivos da CPI.
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Elevadores falham no Regional e SES fará auditoria para descobrir responsável
VEJA O VÍDEO

Elevadores falham no Regional e SES fará auditoria para descobrir responsável

Criança adotada em MS é torturada pelos pais no Paraná
ESTADO GRAVE

Criança adotada em MS é torturada pelos pais no Paraná

STF: candidatura avulsa pode ser votada no 1º semestre, diz Barroso
BRASIL

STF: candidatura avulsa pode ser votada no 1º semestre, diz Barroso

Justiça mantém investigação da PF sobre propina no Detran
OPERAÇÃO LAMA ASFÁLTICA

Justiça mantém investigação da PF sobre propina no Detran

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião