Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CONFRONTO

Imprensa russa diz que comandante da Marinha ucraniana é pró-Crimeia

Imprensa russa diz que comandante da Marinha ucraniana é pró-Crimeia
02/03/2014 18:00 - FOLHAPRESS


O mais novo front das tensões entre Rússia e Ucrânia é são alegações de supostas deserções nas forças ucranianas na Crimeia.

Nas últimas horas, com o recrudescimento da tensão na Crimeia, a imprensa russa vem informando supostas deserções em massa dos militares ucranianos. Isso inclui a notícia de que o comandante-em-chefe da Marinha de Guerra da Ucrânia, contra-almirante Denis Berezovski, jurou hoje fidelidade ao povo da Crimeia.

Berezovski foi nomeado anteontem como líder das forças navais ucranianas, mediante decreto do presidente interino Alexander Turchinov. Hoje, em entrevista coletiva em Sebastopol, base da frota russa do Mar Negro, ele disse: "juro cumprir as ordens do comandante-em-chefe da República Autônoma da Crimeia".

Não há notícia de confrontos entre ucranianos e russos na Crimeia, e fotografias divulgadas por agências internacionais mostram homens uniformizados que vêm em carros russos próximos a soldados ucranianos em frente a bases militares.

O Ministério da Defesa da Ucrânia negou as deserções, e classificou como "provocações" as informações divulgadas nesse sentido. "O pessoal das unidades das Forças Armadas ucranianas na Crimeia que estão bloqueadas por homens armados mantém a tranquilidade e tenta, mediante negociações, impedir o derramamento de sangue", diz nota oficial.

Segundo a nota, os militares ucranianos se negam a cumprir as exigências de entregar suas armas.

Um porta-voz das autoridades pró-russas da Crimeia, citado hoje pela agência russa Interfax, disse que "nas últimas 24 horas, uma dezena de barcos da frota ucraniana do Mar Negro abandonaram a base de Sebastopol". Essa informação também foi negada pelo governo ucraniano.
 

Felpuda


Prefeitura de município do interior de MS recebeu recomendação do Ministério Público do Estado no sentido de exonerar servidores comissionados, livres do cartão de ponto, que são parentes de secretários da administração e de vereadores. O nepotismo se tornou um excelente “negócio” por lá, e se até o dia 6 de agosto as devidas providências não forem tomadas, medidas serão adotadas, como ação por improbidade administrativa. Tem gente que não aprende mesmo, né?