Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, terça, 11 de dezembro de 2018

SAÚDE

Impotência sexual pode ser sintoma de doença cardiovascular

2 ABR 2011Por 12h:25

A disfunção erétil afeta cerca de dois milhões de espanhóis, aproximadamente 40% dos homens com mais de 40 anos. Ela pode um importante sintoma de doenças cardiovasculares, já que pode alertar sobre uma patologia cardíaca com até três anos de antecedência.

 
Um total de 93% dos pacientes com alguma doença cardiovascular, principal causa de morte na Espanha sofre de disfunção erétil. Trata-se de uma patologia ainda mais frequente à medida que os homens envelhecem. 
 
A Fundação Espanhola do Coração (FEC), a Fundação para a Pesquisa em Urologia (FIU) e a Sociedade Espanhola de Médicos de Atendimento Primário (Semergen), junto ao laboratório Lilly, realizaram uma campanha para conscientizar os homens sobre a necessidade de ir ao médico quando começam a notar problemas de disfunção erétil. Segundo os promotores da campanha, apenas dois de cada dez homens com disfunção erétil consultam um especialista. 
 
Até o final de novembro, médicos viajarão pela Espanha em uma campanha que insistirá na importância da prevenção e de cuidar dos fatores de risco. A disfunção erétil é a incapacidade persistente de conseguir ou de manter uma ereção suficiente que permita uma relação sexual satisfatória. 
 
Segundo os dados das organizações médicas que promoveram a campanha, dois de cada três homens com hipertensão arterial têm disfunção erétil, e mais da metade dos que sofrem desde problema têm colesterol elevado, lesões coronárias - 40% oclusões coronárias relevantes - e teste de esforço alterado. 
 
A campanha insiste na importância de se adotar uma dieta saudável, com pouca gordura, reduzir o consumo de álcool, não fumar e praticar esportes ou exercícios físicos sob supervisão médica.  Evitar os fatores de riscos cardiovasculares gera  uma melhora no fluxo sanguíneo durante a ereção. 

Agência Comunicado

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também