Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

Impostos sobre folha de pagamento crescem no País

16 MAR 10 - 08h:01
Os contribuintes brasileiros pagaram menos impostos federais sobre a produção e a renda no ano passado, mas a incidência sobre a folha de pagamento cresceu significativamente, revelou levantamento realizado pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada). De acordo com os dados, a quantidade de impostos federais sobre a produção foi de 6,88% para 6% do PIB (Produto Interno Bruto) no ano passado, enquanto os impostos federais sobre a renda e o patrimônio passaram de 7,30% para 6,93% do PIB. Por outro lado, os impostos e contribuições sobre a folha de pagamento foram de 8,10% para 8,75% do PIB no período, comportando-se, de acordo com o Ipea, como se não houvesse crise econômica mundial. Estrutura No caso dos impostos so bre a produção, a queda maior foi no IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados), cuja alíquota foi reduzida em diversos produtos, como automóveis e eletrodomésticos da linha branca. Neste caso, a proporção sobre o PIB passou de 1,23% para 0,88%. Já no caso da Cofins mais o PIS/Pasep, houve redução de 4,98% para 4,67% e os demais impostos passaram de 0,66% para 0,45% do produto interno bruto. Em relação aos impostos sosobre a renda e o patrimônio, o Imposto de Renda sobre pessoas físicas e jurídicas passou de 5,85% para 5,55% do PIB, enquanto a CSLL passou de 1,40% para 1,37% e os demais, de 0,05% para 0,01% do PIB. Nos impostos sobre a folha de pagamento, o maior aumento foi no FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) e do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social), que passaram de 6,97% para 7,50% do PIB. Já o sistema S e o salário-educação foram de 0,59% para 0,61% e a previdência pública, de 0,55% para 0,65% do PIB. Estrutura De acordo com o Ipea, a composição da carga tributária no Brasil tem sofrido mudanças, com tendência de crescimento do peso de tributos incidentes sobre a renda e a folha de pagamento, que juntos representam 47,4% do total, e queda daqueles que oneram a produção e o consumo, que respondem por 46,7% do total.
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

QUATRO MORTES

Sobe para 21 o número de casos suspeitos de intoxicação por cerveja

Abertura de mercados internacionais ampliam perspectivas econômicas, diz presidente do Sicredi
COOPERATIVISMO

Abertura de mercados internacionais ampliam perspectivas econômicas, diz presidente do Sicredi

Confira o resultado final <br>do vestibular da UFMS
EDUCAÇÃO

Confira o resultado final
do vestibular da UFMS

Bolsa acentua alta no fim e renova máxima histórica, a 118.861,63 pontos
MERCADO FINANCEIRO

Bolsa acentua alta no fim e renova máxima histórica, a 118.861,63 pontos

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião