Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

secretário:

Importações sinalizam mais investimentos

4 FEV 14 - 00h:00Agência Brasil

O secretário de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Daniel Godinho, disse ontem (3), em entrevista coletiva para comentar os resultados da balança comercial, que o déficit em janeiro ocorreu em função da alta nas importações de produtos que sinalizam a perspectiva de alta de investimentos no país e demanda aquecida. "O crescimento das importações, puxado por bens de capital, matérias-primas e material intermediário, indica que são itens que entram para gerar produção. Significam novos investimentos e fazem bem para a economia do país", destacou. Godinho declarou ainda que janeiro é um mês em que tradicionalmente há queda de exportações.

Os dados divulgados pelo ministério apontam que as compras de bens de capital, usados, cresceram 7,1% ante janeiro de 2013, segundo o critério da média diária. A compra de matérias-primas e peças intermediárias também teve crescimento, de 3,2%. Os números mostraram ainda alta de 8,8% nos gastos com importações de bens de consumo, como máquinas para uso doméstico, móveis, vestuário e objetos de decoração. Para Daniel Godinho, essa última elevação também é positiva e não indica maior competitividade de produtos estrangeiros em relação aos nacionais. Segundo ele, parte significativa dos bens de consumo cujas exportações cresceram é eletroeletrônica. Também há uma procura por peças e componentes desse tipo de produto. Na avaliação dele, isso está relacionado à aproximação da Copa do Mundo e à demanda interna aquecida, tanto por produtos brasileiros quanto por fabricados no exterior.

Em 2013, o mês de janeiro também registrou déficit elevado, de US$ 4,04 bilhões. Na ocasião, no entanto, o resultado negativo era explicado pela queda na produção e, consequentemente, nas exportações do petróleo brasileiro. O motivo foi a parada programada para a manutenção de plataformas. Além disso, houve uma defasagem no registro de importações de combustíveis e lubrificantes, feitas em 2012 mas que acabaram impactando a balança de 2013. Este ano, no entanto, segundo Godinho, a conta-petróleo já dá indicativos de maior equilíbrio.

Com relação aos parceiros comerciais, o Brasil registrou queda de 13,7% nas exportações para a Argentina ante janeiro de 2013. Para Daniel Godinho, é cedo para dizer se a queda é um impacto da crise no país vizinho. Cresceram 27,7% as vendas externas do Brasil para a China e 11,4% o comércio para os Estados Unidos. O secretário destacou que, nos últimos seis meses, as exportações para os norte-americanos têm crescido regularmente, com exceção somente de novembro do ano passado.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

GOVERNO

Bolsonaro e advogado de Flávio fazem encontro fora da agenda no Alvorada

Advogado ficou cerca de 2h30 no local
TÊNIS

Em Guangzhou, Kenin supera Stosur na final e comemora terceiro título da carreira

Com o triunfo na China, a norte-americana deverá subir para 17ª posição
BRASIL

STJ autoriza acréscimo de sobrenome do cônjuge após casamento

Certidão de casamento poderá ser retificada pelo cartório de registro civil
FUTEBOL ESPANHOL

Barcelona perde do Granada por 2 a 0 e fica longe do líder Sevilla no Espanhol

Atlético de Madrid também já jogou na rodada

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião