Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Impacto social

22 MAR 10 - 01h:06
Como motivar crianças da periferia de Campo Grande e evitar que elas se aproximem da violência que assola locais isolados da Capital? Este questionamento levou o empresário Fernando Campos a criar o Projeto Impacto Aventuras, com o qual visita escolas públicas mensalmente, levando palestras motivacionais e esportes radicais, como tirolesa, rapel e arvorismo. O grupo, que tem apoio dos escoteiros Atalaia do Pantanal, conta com cerca de 30 integrantes, todos voluntários. Na última sexta-feira, durante a manhã e a tarde, o grupo realizou suas atividades na Escola Estadual João Carlos Flores, com crianças e adolescentes que estudam no estabelecimento, além de moradores dos bairros Jardim Morumbi e Rita Vieira. “É um prazer enorme oferecer a todas essas crianças uma tarde divertida como essa. Acredito que isso contribua para que elas se tornem conscientes de seu papel enquanto cidadãos, além de mostrar que é possível chegar aonde quiserem”, comemora a diretora da escola, Cícera Barbosa dos Santos. No trabalho apresentado aos alunos das escolas, os voluntários abordam temas como os sonhos e aqueles que tentam roubá-los, a violência doméstica, os vícios como bebidas e drogas, obediência, divórcio, coragem e perseverança. “Queria encontrar uma forma de falar às crianças, mas também fazê-las viver aquilo que apresentamos. Para isso, as visitas são divididas em duas partes: na primeira, apresentadas pequenas palestras e, em seguida, as crianças praticam os esportes, durante os quais lidamos com questões como a coragem e a força de vontade”, esclarece Fernando. Segundo ele, muitos empresários praticam esportes semelhantes para ganhar coragem em lidar com o mundo dos negócios. Disso surgiu a ideia em se trabalhar com crianças e adolescentes. Nas visitas, a trupe do Impacto Aventuras também procura divulgar os grupos de escotismo do Estado. “Fazemos isso para que eles se mantenham próximos de algo que lhes fará bem. Aconselhamos que procurem o grupo mais próximo para dar continuidade a essas atividades”, aponta Juber de Jesus Severino, sargento do Corpo de Bombeiros e presidente do Atalaia do Pantanal. Cultivando sonhos Vestindo farda, boina e óculos escuros, o capitão do Exército, Marco Antônio Pires, conta aos alunos uma história sobre um garoto que tinha o sonho de pilotar grandes aeronaves. “É a história de uma criança comum, que teve uma infância sem grandes confortos e sempre estudou em escolas públicas, algo com o que todos os ouvintes se identificam. O garoto tinha o sonho de se tornar piloto e conseguiu”, conta o capitão, que ao final releva ser ele a criança sobre a qual falava. Embora esteja há pouco tempo no grupo, cerca de um ano e meio, Marco Antônio acredita no potencial da ideia. “O apoio que damos às crianças, com certeza, faz toda a diferença. Acredito que isso será algo que levarão para toda a vida”, defende. Fernando, o idealizador do projeto, afirma que já perdeu a conta do número de escolas que receberam o Impacto Aventuras desde que este foi criado, em 2005, na época chamado Impacto Radical. “Apesar de ter sofrido muitas modificações, o projeto ainda mantém o mesmo objetivo: fazer com que as crianças acreditem em seu potencial”. Ele justifica que muitos ali podem viver em lares destruídos, onde os pais dificilmente dizem palavras que encorajam e transmitam amor. “Estamos aqui para dizer que, apesar de tudo, elas podem ir além”, frisa.
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Felpuda

ALIANÇA PELO BRASIL

Bolsonaro admite que pode presidir novo partido

Sem marcar há um turno, Alexandre Pato amarga reserva no São Paulo
ATACANTE

Sem marcar há um turno, Alexandre Pato amarga reserva no São Paulo

BRASIL

Reforma administrativa será "suave", afirma Bolsonaro

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião