FEVEREIRO

IGP-M aponta aumento da inflação

IGP-M aponta aumento da inflação
25/02/2011 08:10 - InfoMoney


O IGP-M (Índice Geral de Preços - Mercado) apontou inflação de 1,00% em fevereiro, taxa 0,21 ponto percentual maior que a apurada no mês anterior, segundo dados divulgados na manhã desta sexta-feira (25) pela FGV (Fundação Getulio Vargas).

O resultado também ficou 0,10 ponto percentual acima das projeções do mercado. Segundo o mais recente relatório do Focus do Banco Central, publicado no último dia 21, a mediana das expectativas para o resultado mensal do índice era de 0,90%.

IPA impulsiona o índice
Entre os componentes do índice, o IPA (Índice de Preços ao Produto Amplo) foi o principal responsável pelo aumento da inflação apurada pelo IGP-M na passagem mensal. Os preços no atacado apresentaram variação positiva de 0,44 ponto percentual e atingiram taxa de 1,20% neste mês. Outro componente que também teve variação positiva foi o INCC (Índice Nacional de Custo da Construção), com aumento de 0,02 ponto percentual.

Por outro lado, os preços ao consumidor apresentaram variação negativa nesta medição. O IPC (Índice de Preços ao Consumidor) caiu de 1,08% em janeiro para 0,67% em fevereiro, variação negativa de 0,41 ponto percentual. Confira os dados:

Grupo Fevereiro/2011
(em %)
Janeiro/2011
(em %)
Variação
(em pontos percentuais)
IPA +1,20 +0,76 +0,44
IPC +0,67 +1,08 -0,41
INCC +0,39 +0,37 +0,02
IGP-M +1,00 +0,79 +0,21

Fonte: FGV

Metodologia de cálculo do IGP-M
O IGP-M (Índice Geral de Preços - Mercado) é bastante utilizado pelo mercado, e mede a evolução geral de preços na economia, criando assim uma medida da inflação nacional.

Ele é composto pela ponderação entre o Índice de Preços ao Consumidor (IPC - peso de 30%), Índice de Preços no Atacado (IPA - peso de 60%) e Índice Nacional de Custo da Construção (INCC - peso de 10%).

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".