segunda, 23 de julho de 2018

FISCALIZAÇÃO

Ibama aplica multas de R$ 20 milhões por desmatamento no Estado

16 NOV 2010Por DA REDAÇÃO16h:20

Mais de 5 mil hectares de área embargada, registro de desmatamentos de outros 10 mil hectares e multas que somam cerca de 20 milhões de reais são o saldo até agora da atuação da fiscalização do Ibama MS com as ações dos Guardiões do Pantanal

A fiscalização flagrou esses crimes ambientais e apreendeu um caminhão e dois tratores de esteira em apenas numa semana de atuação nas regiões de Coxim e Aquidauana, em áreas que se localizam no bioma pantanal.

Com ações à campo baseadas no uso comparativo de imagens captadas por satélite e técnicas de geoprocessamento, a fiscalização do Ibama MS se tornou mais eficaz na localização de áreas desmatadas no Estado de Mato Grosso do Sul (veja exemplo de imagens comparativas de uma área flagrada pelo satélite ).

Todas as ações de fiscalização das equipes da DIPAM, Divisão de Proteção Ambiental do Ibama MS vão daqui para a frente se dar com base no uso intensivo de tecnologias eletrônicas tais como a de geoprocessamento – tecnologia que permite comparações de imagens de uma propriedade captada anos atrás com as de agora, por exemplo,

Luiz Benatti chefe da DIPAM afirma “é um salto qualitativo na nossa fiscalização: esse é um instrumento valioso para o planejamento de nossas ações de fiscalização e estamos comprovando a campo os desmatamentos indicados nas imagens de satélite”, diz.

Daqui para a frente toda a fiscalização do Ibama MS vai se dar com base nesse instrumento e vai ser realizada continuamente como é esse o caso dessa ação, continua ele “é como se nós do

Ibama tivéssemos agora olhos vigilantes 24 horas por dia em todo o território do Estado”, afirma.

Com base nas imagens já comparadas, o setor de Geoprocessamento do Ibama MS aponta desmatamentos de maior proporção na chamada Zona de Amortecimento do bioma Pantanal. “Mas existem áreas de todos os tamanhos e muitas de menor porte espalhadas por todo o bioma pantanal e o cerrado dentro do Estado” diz Ubirajara dos Santos Pires, coordenador do geoprocessamento dentro do Ibama MS.

Os levantamentos dos polígonos (áreas) desmatados está sendo feito nas regiões que mais apresentam terra sem cobertura vegetal captadas pelo satélite do INPE ( Instituto de Pesquisas Espaciais) com que o setor de GEO do Ibama trabalha. Mas as imagens cobrem todo o território do Estado e com o tempo a fiscalização vai varrer todas as áreas sinalizadas em ações de campo nos locais indicados pelas imagens.

A Fiscalização do Ibama MS já tinha usado dessa tecnologia de maneira esporádica. Agora esse tipo de trabalho vai ser incorporado à rotina da fiscalização da Instituição em Mato Grosso do Sul diz Benatti .

O monitoramento do bioma pantanal feito pelo Ministério do Meio Ambiente e divulgado no início desse ano mostrou maior aceleração no ritmo de desmatamento nessa região que já chega a cerca de 7.400 km quadrados.

Com base nesses dados a fiscalização vêm se intensificando e agora “esse poderoso instrumento vai garantir amplitude, eficácia maior e resultados mais certeiros na proteção dos biomas pantanal e cerrado em nosso Estado”.

Leia Também