Campo Grande - MS, sexta, 17 de agosto de 2018

Terapia

Hormônio do estresse é testado para reduzir fobia de altura

30 MAR 2011Por Folha07h:00

O cortisol, hormônio liberado em situações de estresse, melhora os efeitos da terapia de combate a fobias.

Estudo realizado por pesquisadores de diversos centros científicos, entre eles a Universidade de Basileia, na Suíça, testou a substância em 40 pessoas com acrofobia (medo de altura).

Os voluntários foram submetidos a três sessões de terapia de exposição --uma simulação de ambientes altos criada por realidade virtual.

Uma hora antes das sessões, metade dos pacientes tomou uma dose de cortisol e a outra metade, placebo.

Os participantes responderam a questionários para avaliar o nível de fobia após a última sessão de terapia.

Entre aqueles que tomaram cortisol, houve uma queda de 59% na pontuação de fobia. No outro grupo, a queda foi de 40%.

Para Dominique de Quervain, professor de psicologia na Universidade de Basileia e um dos autores do estudo, os achados indicam que os efeitos da psicoterapia contra a fobia podem ser reforçados pelo uso de remédios.

"O cortisol auxilia a terapia de exposição ao agir no aprendizado e na memória", explicou à Folha. "Ele inibiu a recuperação da memória do medo e armazenou experiências corretivas."

O psiquiatra Antônio Guerra Vieira Filho, do Hospital Sírio-Libanês, afirma que a ação do cortisol pode ser útil para pacientes que não respondem à terapia.

"Quando a pessoa é exposta à situação que ela sabe que é segura [a simulação], o cortisol facilita o aprendizado dessa experiência."

CORREÇÃO E REFORÇO

A terapia de exposição tem como objetivo "corrigir" a fobia, ao colocar a pessoa, aos poucos, em contato com o que ela teme.

"Quando ela se expõe a essas experiências que causam medo desproporcional, fica habituada", diz Mariângela Savoia, psicóloga do programa de ansiedade do Instituto de Psiquiatria da USP.

"A memória é importante na formação da fobia. Ela associa um estímulo, como a altura, a um risco. O cortisol faz a pessoa evocar menos esses pensamentos irreais", afirma Vieira Filho.

Segundo ele, não há contrassenso entre o papel do cortisol no estresse e na redução da fobia. "O hormônio opera em vários locais do cérebro. A ação no estresse é só uma de suas propriedades."

Leia Também