Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Questionável

Hormônio da gravidez é usado para emagrecer

18 MAR 11 - 18h:15IG

Um novo tratamento para emagrecer tem sido feito nos Estados Unidos com injeções diárias do hormônio da gravidez, o hCG. Originalmente usado contra infertilidade, a medicação agora promete perdas de até 500g de gordura por dia.

O resultado é alcançado por mulheres que se submetem a uma dieta bastante de restritiva, de apenas 500 kcal por dia, número até cinco vezes menor que o recomendado para manutenção do peso.

Além da perda ser expressiva, ela também é bem direcionada. O emagrecimento atinge braços, pernas e cintura, regiões em evidência no corpo feminino, nas quais o prejuízo estético e de saúde pode ser maior.

Apesar do aparente sucesso, e da procura elevada em clínicas médicas, o procedimento ainda carece de estudos e comprovação científica. “Essa indicação das injeções é off label, ou seja, não está na bula”, conta Mário Cavagna, diretor da secretaria de reprodução humana da Febrasgo (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia).

A hipótese mais comentada por médicos norte-americanos sugere uma relação entre hormônio e sensação de saciedade. As mulheres passariam a suportar melhor a fome, apesar da dieta muito restritiva.

Alguns especialistas afirmam ainda que o hormônio consiga enganar o corpo da mulher, elevando o metabolismo e fazendo a perda de gordura acontecer mais rapidamente, como se ela estivesse grávida. Isso sem prejuízo à massa muscular.

“O hormônio induz a ovulação, por isso a mulher em tratamento para engravidar recebe a injeção”, explica Cavagna. Mas a medicação é ministrada em dose única, bem diferente das aplicações diárias no tratamento para emagrecer.

O resultado disso pode ser danoso ao organismo. Há risco da menstruação cessar e até de infertilidade. “Mas como não existem estudos, não dá para saber ao certo o impacto do medicamento”, alerta o médico.

Alto custo

Apesar dos riscos e da falta de comprovação científica, o tratamento tem encontrado mulheres dispostas a pagar US$ 1 mil por mês para emagrecer. O custo é destinado às ampolas com hormônio, seringas para aplicação diária e consulta médica mensal.

O sucesso do tratamento já despertou a atenção do FDA, órgão que regula a venda de medicamentos e alimentos nos Estados Unidos. A agência alerta para a falta de evidência científica do método e afirma que recebeu relato de uma paciente vítima de embolia pulmonar após receber as injeções.

O hormônio também poderia estar ligado a outros efeitos colaterais, como depressão, coágulos e aumento do volume das mamas.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

BRASIL

Maia pede ao STF liberação de R$ 1 bi de fundo da Petrobras para queimadas

BRASIL

Governo federal autoriza operação das Forças Armadas em Roraima

BRASIL

Bolsonaro fará pronunciamento oficial sobre incêndios na Amazônia

BRASIL

Raquel contraria PF e pede arquivamento de inquérito contra Collor

Mais Lidas