Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

Homens com câncer procuram cada vez mais tratamentos de beleza

Homens com câncer procuram cada vez mais tratamentos de beleza
23/07/2012 20:00 - TERRA


Homens em tratamento de câncer estão se preocupando cada vez mais com a aparência, de acordo com um levantamento realizado pelo Instituto do Câncer do Estado de S. Paulo (Icesp) realizado com mais de 15 mil pacientes. Desses, mais de 40% dos pacientes que procuraram tratamentos de beleza oferecidos no Icesp no último ano são do sexo masculino.

No início do projeto Cantinho da Beleza, oferecido pelo Serviço de Hotelaria e Hospitalidade, o índice de participação de homens era de 15%. Ao todo, são realizados sete tratamentos estéticos para todos os pacientes: corte de barba e cabelo, minicursos de maquiagem e de como colocar lenços, hidratação das mãos, higienização da pele e manicure.

O tratamento mais procurando é higienização da pele, que chama a atenção de 31% dos pacientes. Em seguida, estão os serviços de manicure (24%), hidratação das mãos (15%), maquiagem (12%), corte de cabelo (8%), corte de barba (6%) e curso para colocar lenços (4%). Entre os homens, os serviços mais procurados são barba e unha, responsáveis por cerca de 10% dos atendimentos.

Segundo a gerente do setor, Vânia Pereira, ações como essa ajudam na autoestima do paciente, além de amenizar o processo do tratamento. “Tanto para os internados quanto para quem está em atendimento ambulatorial, receber uma atenção desse tipo é fundamental. E que bom que os homens também aderiram a esses cuidados”, avalia.

O Icesp disponibiliza os serviços do Cantinho da Beleza aos pacientes em tratamento ambulatorial de quimioterapia e os que se encontram internados na unidade. Os atendimentos são realizados todas as segundas, terças e sextas-feiras, durante três horas por dia.

 

Felpuda


Malfeitos que teriam sido praticados em tempos não tão remotos podem ser a pedra no caminho de pré-candidatura que está sendo costurada. As conversas ainda estão nas “ondas da rádio-peão”, mas, com a proximidade da campanha eleitoral, há quem diga que isso se tornará uma tremenda dor de cabeça para quem vai enfrentar as urnas. Pior:  o dito não seria culpado direto, mas sim a sua...  Bem, deixa rolar para ver onde vai parar.