Campo Grande - MS, quinta, 16 de agosto de 2018

Homem que vendeu arma diz que atirador de Realengo alegou defesa pessoal

14 ABR 2011Por r718h:02

O homem que assumiu ter vendido o revólver calibre 38 usado por Wellington Menezes de Oliveira, autor do massacre em Realengo, zona oeste do Rio, disse que o atirador alegou defesa pessoal como motivo para comprar a arma.

Manoel de Freitas Louvise, de 57 anos, afirmou que, caso soubesse da intenção de Wellington, teria levado o assassino à polícia.

- Ele disse que a arma era para sua proteção, pois iria morar sozinho em Sepetiba [zona oeste]. Não matei ninguém. Se eu soubesse que ele iria fazer isso, eu mesmo tinha entregado ele à polícia.

Louvise tinha a arma desde 1978 e contou que aceitou fazer o negócio porque precisava do dinheiro (R$ 1.200) para reformar um carro. Para concretizar a venda, o segurança impôs a condição de que Wellington raspasse a numeração que identificava o revólver.

- Eu estava precisando de dinheiro para reformar um carro, por isso vendi.

O vendedor da arma foi preso nesta quinta-feira (14). Segundo ele, o dinheiro pago incluía no pacote, além da arma, munições e carregadores utilizados pelo assassino no massacre.

Segundo a polícia, o revólver e os acessórios foram vendidos em setembro do ano passado. O segurança trabalhava na mesma empresa de Wellington e foi lá que, segundo Manoel, o atirador começou a fazer perguntas sobre compra de armas.

De accordo com o Delegado Felipe Ettore, da Divisão de Homicídios, a polícia chegou até o segurança graças a um exame de metalografia, feito no ICCE (Instituto de Criminalística Carlos Éboli), que verificou a numeração do revólver mesmo estando raspada.

- A arma estava registrada em nome dele. Ele não tinha porte, mas podia ter a arma em casa. Agora foi denunciado duas vezes pelo crime de comércio ilegal de arma de fogo e pode pegar de quatro a oito anos de prisão.

Leia Também