Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, terça, 18 de dezembro de 2018

POLÍCIA

Homem é sequestrado e feito refém por oito horas em Campo Grande

26 MAR 2011Por EVELIN ARAUJO11h:52

Um bancário de 30 anos foi sequestrado nesta madrugada, por volta da meia noite, em frente a uma boate sertaneja na região central de Campo Grande e liberado hoje às 8h. Ele foi forçado a ficar andando de carro pela cidade e consumindo drogas com os assaltantes.

Alexandre Campos, de 32 anos, assume a autoria do sequestro. Ele teria abordado o homem com uma faca e um outro rapaz com um revólver. Somente Alexandre entrou no veículo, um Punto, com a vítima. Eles foram até um posto de gasolina onde o rapaz sacou R$ 70 e comprou bebidas e cigarro. 

Em seguida, eles foram para o bairro Jockey Club, na Rua dos Andes, próximo a Rua Bom Sucesso. Lá estavam Ronaldo Pereira, de 27 anos, que teria feito a abordagem com o revólver, Marco Henrique Lourenço, de 18 anos, Fernando Jorge Andrade, de 30 anos e um adolescente de 15 anos. Eles consumiram a bebida comprada e forçaram a vítima a usar cocaína. 

Durante toda a madrugada o bancário foi forçado a ir a um mercado por duas vezes. Na primeira, ele e Alexandre foram comprar bebidas, cigarros e carne. Na segunda vez, Alexandre o forçou a comprar álcool. Com medo de ser queimado vivo, ele conseguiu falar para a caixa do mercado que estava no meio de um sequestro, mostrando os documentos a ela.

Eles voltaram para a casa, na Rua dos Andes, quando uma viatura da Polícia Militar do 10º Batalhão do Jockey Club, alertada pela caixa, foi vista por Alexandre. A vítima confessou que comunicou sobre o sequestro e Alexandre o liberou. Ele foi com o carro atrás da polícia, que prendeu em flagrante os envolvidos. Eles foram levados para a Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário (Depac) Piratininga.

 

Confusão

A confusão na Rua dos Andes nesta manhã é rotina para os moradores da região, conforme eles mesmos informaram ao Portal Correio do Estado. Eles reclamam que, no local, funciona uma boca de fumo e que brigas na casa onde ocorreu o sequestro são constantes.

Várias pessoas estavam na residência no momento da abordagem policial. Uma mulher, que se diz proprietária do imóvel, embora vizinhos afirmem que o local é invadido, discutia com os moradores da rua. Uma outra mulher, que foi detida por causar tumultuo com a polícia, foi liberada em seguida. 

 
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também