CIDADES

Homem é esfaqueado por causa de dívida de R$ 40, na Capital

Homem é esfaqueado por causa de dívida de R$ 40, na Capital
25/02/2010 04:20 -


Michel Rithi, de 28 anos, foi esfaqueado no peito e no abdome em plena tarde de ontem, na esquina das ruas Ouro Verde e Orquídea, no Bairro Jockey Club, em Campo Grande. O autor, que se identificou como Ailton Pedrosa, de 29 anos, foi detido pela Polícia Militar momentos depois e assumiu a autoria da tentativa de homicídio. Por volta das 15 horas, a Polícia foi acionada por moradores que denunciaram que havia uma pessoa esfaqueada na Rua Ouro Verde. No local, os militares foram informados de que o autor teria fugido e, então, iniciaram buscas pelas redondezas. Ailton Pedrosa foi encontrado e preso na esquina da Avenida das Bandeiras com a Avenida Fábio Zahran (Via Morena). Segundo relatou à polícia, Ailton teria uma dívida de R$ 40 com a vítima. Disse que Michel e a esposa, indentificada como Keila Ruiz Nunes, de 20 anos, teriam ido procurá-lo para cobrar a dívida, sendo que Michel o teria xingado e dado um tapa em seu rosto. Ailton, então, pegou uma faca e desferiu dois golpes contra Michel – um no peito e outro no tórax. Duas viaturas do Serviço de Atendimento Médico de Urgência (SAMU) estiveram no local e prestaram os primeiros atendimentos à vítima. Segundo médicos, a vítima foi encaminhada em estado gravíssimo para o Hospital Universitário (HU). Ailton, preso em flagrante, foi encaminhado para a Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário (Depac), onde deve permanecer detido. (BG)
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".