Campo Grande - MS, segunda, 20 de agosto de 2018

CORUMBÁ

Homem abusava sexualmente de criança há 2 anos

14 ABR 2011Por DA REDAÇÃO08h:53

Júlio Tadeu Xavier de Souza, de 55 anos, foi flagrado ontem pelo pai do menino de 8 anos, que ele abusava sexualmente. Ele confessou a autoria e foi preso em flagrante por estupro de vulnerável e pode pegar até 15 anos de prisão se condenado judicialmente. Na casa dele, no bairro Cristo Redentor, os policiais encontraram revistas pornográficas e diversas fotos de crianças. O menino, que seria vítima dos abusos há dois anos, vai precisar de intenso e delicado acompanhamento psicológico para não desenvolver qualquer tipo de trauma futuro.

"O fato foi confirmado pelo autor. No depoimento, disse que tem praticado sexo com a vítima há mais ou menos um mês e meio e fazia isso porque achava que a criança gostava", contou ao Diário de Corumbá o delegado de Polícia Civil Enilton Zalla, responsável pelas investigações. Souza teria dito que a vítima chegou à porta da casa dele e perguntou se ele tinha dinheiro. "Ele disse que tinha dois reais e o menino queria o dinheiro. Então, foi com a vítima para o quarto tirou a roupa dele, deitou-se na cama e também se despiu. Momentos depois, o pai da criança flagrou a cena", informou o delegado.

A criança revelou que desde 2009 era abusada pelo acusado, que morava numa casa nos fundos do terreno onde o pai da vítima reside. "Esse senhor dava dinheiro; balas; canetas e todo o tipo de atrativo para que a criança se deitasse com ele para algum tipo de ato libidinoso", afirmou o delegado que destacou o trabalho da Polícia Militar que rapidamente encaminhou o acusado para o Distrito Policial ainda na noite da terça-feira, 12 de abril.

Enilton Zalla contou ter ouvido atentamente a vítima na delegacia, que estava acompanhada por um psicólogo, e a precisão dos fatos narrados pela criança - mesmo claramente abalada psicologicamente - foram fundamentais para a Polícia. "O detalhe das coisas que ela falava são coisas que uma criança de 8 anos não consegue inventar se não tiver vivido", ressaltou o delegado, que esclareceu que o crime de estupro de vulnerável, previsto no artigo 217 A do Código Penal , é hediondo e "uma inovação da legislação penal, que considera estupro mesmo sendo homem, que diz que é estupro conjunção carnal ou outro ato libidinoso com menores de 14 anos".

A descoberta do crime aconteceu porque a criança estava com o pai na frente de casa e de repente sumiu. Ao perceber a ausência do filho, o pai saiu para procurá-lo e o encontrou à beira da cama com o marinheiro fluvial. "A vítima de repente desapareceu e foi para casa desse autor. Vê-se aí o quanto essa criança estava corrompida, deturpada, viciada pelo autor para que fosse lá satisfazer a libido dele", complementou o delegado. "O caso se encaixa perfeitamente como pedofilia. É o caso de mais um pedófilo aqui em Corumbá", declarou o delegado Zalla, que tem dez dias para concluir o inquérito e encaminhá-lo para a Justiça.

Leia Também