COCAÍNA

Helicóptero de senador deverá ser confiscado

Helicóptero de senador deverá ser confiscado
19/01/2014 10:58 - g1


O helicóptero modelo Robinson R66, registrado em nome da família do senador Zezé Perrella (PDT-MG) deverá ser confiscado pela Justiça após ter sido apreendido ao transportar 445 quilos de cocaína pura em novembro de 2013. Segundo informações do jornal O Estado de S.Paulo, apesar de a Polícia Federal ter afastado o envolvimento da família do senador no crime de tráfico, o clã deverá amargar o prejuízo de R$ 3 milhões, valor aproximado da aeronave.

O helicóptero deve ser mantido à disposição do governo do Espírito Santo. A decisão do juiz Marcus Vinícius Figueiredo, no entanto, não é definitiva. Segundo a decisão, a aeronave "evidentemente interessa ao processo enquanto não estiverem ultimadas as fases de investigação policial e instrução criminal". Ele ressaltou ainda que, "não está devidamente comprovado" que a aeronave tenha sido integralmente periciada.

Quatro pessoas foram presas em flagrante por causa do transporte da droga no município de Afonso Cláudio, no Espírito Santo, incluindo o piloto Rogério Almeida Antunes, então funcionário da empresa dos Perrella e da Assembleia Legislativa de Minas, indicado pelo filho do senador, o deputado estadual Gustavo Perrella (SDD). Logo após ser preso, Rogério declarou que a família não tinha relação com a droga apreendida.

A polícia ainda tenta identificar o homem que, antes da apreensão, pagou R$ 500 mil pela propriedade - avaliada em R$ 100 mil-, onde a aeronave deveria aterrissar.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".