Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Grupo Rede busca sócio para reduzir dívida

1 AGO 10 - 21h:17
Vera Halfen com (AE)

Até pouco tempo atrás, tido como um dos principais ativos a serem consolidados no setor elétrico brasileiro, o Grupo Rede está passando por um intenso processo de reestruturação, que deve culminar no ingresso de um novo sócio estratégico e numa oferta de ações. Os planos da empresa incluem a redução do alto nível de endividamento, a recuperação do desempenho operacional das subsidiárias e o aperfeiçoamento dos instrumentos de governança corporativa. “Queremos figurar entre as companhias mais rentáveis do setor elétrico”, revela a diretora-presidente do Grupo Rede, Carmem Campos Pereira, em entrevista à Agência Estado.
No ano passado, a Enersul – que faz parte do Grupo Rede – foi supostamente avaliada por um grupo de executivos da Cemig (Companhia Energética de Minas Gerais), que permaneceram em Campo Grande por alguns dias. A afirmação sobre a venda da concessionária foi dada em entrevista pelo deputado Marquinhos Trad. Na época, a diretoria da Enersul negou qualquer tipo de negociação e atribuiu como “visita” a permanência dos executivos na empresa.
A injeção de R$ 600 milhões do FI-FGTS, anunciada ao final de junho, é peça fundamental no processo de recuperação do grupo, iniciado em 2009 com o programa “Evoluir”, voltado à modernização da gestão e dos processos internos. Boa parte dos recursos, cerca de R$ 530 milhões, será aplicada para financiar os investimentos previstos até 2014 na concessionária Celpa (PA), que totalizam R$ 3,5 bilhões. O maior volume dos aportes, R$ 1,2 bilhão, será focado na melhoria da qualidade do serviço, tendo em vista que a empresa tem um dos piores índices de qualidade do fornecimento do País e descumpre as metas fixadas pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).
“O nosso plano de investimentos no Pará visa à melhoria da qualidade, a redução das perdas da rede e a aceleração da universalização do serviço”, resume a executiva. Além de gerenciar esse alto volume de investimento, outro desafio do executivo será o de convencer a Aneel de que as metas de qualidade do serviço fixadas para a Celpa são exageradas, tarefa difícil considerando que a distribuidora irá passar em 2011 pelo terceiro ciclo de revisão tarifária.
“Se olharmos para outras empresas similares à Celpa, as metas exigidas pelo regulador são bem diferentes. Não sabemos o motivo de as nossas metas serem tão rigorosas”, afirma Carmem. Do ponto de vista financeiro, o Grupo Rede prevê entrar com R$ 613 milhões (valor que inclui os R$ 530 milhões do FI-FGTS) para cumprir o plano de investimentos da Celpa. Os outros R$ 2,9 bilhões serão financiados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), pelo Banco da Amazônia (Basa), pelo governo do Pará e pelos fundos setoriais Reserva Global de Reversão (RGR) e Conta de Desenvolvimento Energético (CDE).
Com o plano de recuperação operacional estruturado, o Grupo Rede concentra seu esforço em melhorar a sua estrutura de capital. A companhia está entre as mais alavancadas do setor elétrico, apresentando uma relação dívida líquida/Ebitda de 3,7 vezes ao final de março deste ano, patamar alto para um setor que trabalha com um nível de alavancagem entre 1,5 vez e 2 vezes. “Para o nosso tipo de concessão, que ainda demanda pesados investimentos, uma relação dívida líquida/Ebitda mais adequada seria de 2,5 vezes”, explica a executiva. Ao final do primeiro trimestre de 2010, a dívida líquida consolidada do grupo estava em R$ 4,3 bilhões.
Para cumprir essa meta, o Grupo Rede busca uma nova capitalização, cujo montante seria um pouco superior aos R$ 600 milhões injetados pelo FI-FGTS. “Isso pode ser ou através de um novo sócio estratégico ou por meio de uma oferta de ações”, revela. Dada a instabilidade no mercado, é pouco provável que a companhia realize uma oferta de ações no curto prazo, o que fortalece a ideia do ingresso de um novo sócio. Carmem afirma, inclusive, que a empresa tem conversado com todo tipo de investidor neste momento. “O grupo é, de fato, muito assediado”, diz a executiva, ressaltando que o novo parceiro deve ter o perfil de investidor de longo prazo.
Com essas ações, o Grupo Rede planeja alcançar a redução de seu endividamento até o final de 2011. “Queremos estar de cara nova até o final do ano que vem. Se fosse possível, até o final deste ano. Mas isso dependeria do apetite do mercado”, afirma Carmem. A executiva deixa claro que se a nova capitalização não ocorrer este ano, a companhia não terá problemas para atender aos compromissos imediatos. “Não estamos com a faca no pescoço. Somos alavancados, mas o curto prazo não nos preocupa”, garante a diretora-presidente, descartando a venda de ativos para acelerar a recuperação da saúde financeira da empresa.

Governança
O ingresso do FI-FGTS também representa uma nova etapa no processo de aperfeiçoamento das práticas de governança corporativa do Grupo Rede. O fundo terá quatro conselheiros de administração: dois na Empresa de Eletricidade Vale Paranapanema (EEVP), controlador do grupo; um na holding Rede Energia; e um conselheiro em qualquer uma das distribuidoras do grupo - no momento, a escolhida foi a Celpa. O FI-FGTS ainda deterá um cargo de diretoria na Rede Energia e terá participação nos comitês internos. O grupo ainda promoveu Maurício Halewicz, da área de controladoria, ao posto de diretor de Relações com Investidores, cargo exercido anteriormente por Carmem, e também criou o comitê de gestão, que trata de assuntos financeiros, operacionais, de mercado e de regulação.
Esse novo processo também representa a imposição de metas operacionais e financeiras a serem cumpridas pelos atuais administradores do Grupo Rede. A atual diretoria foi eleita para comandar a empresa até abril de 2011, e, nesse contexto, não é por acaso que Carmem afirma que os resultados do processo de reestruturação aparecerão em 2011.
Com 3,11% dos papéis em circulação no mercado, Carmem revela a intenção do grupo em ampliar o seu free float no médio prazo, o que explica a intenção de melhorar as práticas de governança corporativa. “Quando decidirmos no futuro pela oferta de ações, que é o caminho natural, esperamos que o investidor nos veja com outros olhos”, comenta a executiva. Para ingressar no Grupo Rede, o FI-FGTS adquiriu 35% de participação da EEVP, que detém 66,94% da Rede Energia.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Marum diz que será 'general de guerra' em campanha de Puccinelli
DE OLHO EM 2022

Marum diz que será 'general de guerra' de Puccinelli

RETOMADA DE OBRAS

Governo de MS e futuros donos da UFN3 se reúnem nesta tarde para definir datas

Petrobras e russos já realizaram conversa pela manhã
Chefão do PCC em duas cidades, 'Oclinhos' é preso pela polícia
CRIME ORGANIZADO

Chefão do PCC em duas cidades, 'Oclinhos' é preso

Pistoleiros são presos após executarem brasileiro a tiros
FRONTEIRA DE SANGUE

Pistoleiros são presos após executarem brasileiro a tiros

Mais Lidas