Campo Grande - MS, terça, 21 de agosto de 2018

estelionato

Grupo que viajaria para Aparecida perde R$ 100 mil

1 JUN 2011Por Diário Online17h:47

Um grupo de 168 pessoas foi vítima de um golpe de mais de R$ 100 mil na véspera da viagem que eles fariam. Durante um ano, pagaram uma taxa mensal, no valor de R$ 50, a fim de cobrir as despesas de uma viagem para Aparecida do Norte, em São Paulo. Porém, na noite desta terça-feira. 31 de maio, um dia antes de partirem, veio a decepção: a responsável pela organização da excursão teria fugido com todo o dinheiro arrecadado pelos fiéis.

As vítimas pagaram, cada uma, o valor de R$ 600 que custearia ida e volta e estadia. A partida de Corumbá seria na manhã desta quarta-feira, 1º de junho e retorno no dia 06. O grupo estava distribuído em quatro ônibus. A responsável pela organização da viagem era Maristela das Dores Rodrigues.

Mulher explica motivos numa carta

De acordo com as vítimas que estavam na delegacia, Maristela deixou uma carta que dizia que iria sumir com o dinheiro, pois ela se sentiu tentada com o valor que tinha em mãos. Ainda pedia desculpas para toda a família pelo que iria fazer. As vítimas relataram também, que ninguém mais conseguiu entrar em contato com a acusada e que na noite desta terça-feira, o marido dela, bastante abalado com a situação, afirmou que iria repassar o valor a cada pessoa.

Para resolver a questão e pagar a dívida, a mulher aponta uma saída: "de alguns eu devolvi o dinheiro. Paguei R$ 10.040 ao hotel. Deixarei escrito para que meu marido venda a casa para poder devolver o dinheiro, tenham paciência, pois não será fácil (...) Mas, estou pagando pelos meus erros", assim Maristela encerrou a carta.

Delegada pede que vítimas registrem ocorrência

O golpe da viagem à Aparecida do Norte foi registrado na Delegacia de Polícia Civil de Corumbá, como caso de estelionato, de acordo com o boletim de ocorrências número 3037. Segundo o Código Penal Brasileiro, estelionato é crime econômico (Artigo 171) e tem como definição "obter para si ou para outrem, vantagem ilícita, em prejuízo alheio, induzindo ou mantendo alguém em erro, mediante artifício, ardil ou qualquer outro meio fraudulento".

Leia Também