BATAGUASSU

Grupo que assaltou comboio pode ter vindo do Paraná, diz delegado

Grupo que assaltou comboio pode ter vindo do Paraná, diz delegado
30/07/2012 16:00 - TARYNE ZOTTINO


A polícia trabalha com a hipótese de que a ação dos bandidos que assaltaram um comboio de quatro ônibus com 170 pessoas tenha sido arquitetada. De acordo com o delegado de Bataguassu (MS), José Carlos Amussa, não existem registros de casos semelhantes em Mato Grosso do Sul, mas a prática já aconteceu no Paraná.

Além disso, algumas das vítimas disseram à polícia que os homens tinham sotaque paranaense. Mesmo assim, não se descarta a possibilidade de que criminosos do Estado estejam envolvidos. Após passarem pela delegacia, os passageiros foram liberados para refeições e retornar às suas cidades.

O grupo, composto por aproximadamente 10 pessoas, utilizou três veículos no assalto – Um  Corolla preto, uma Saveiro Prata e um Civic preto. Em cada ônibus entraram dois assaltantes e eles se comunicavam entre si e com outros possíveis comparsas, que davam suporte do lado de fora por meio de rádios transmissores portáteis.

Armados com fuzis e metralhadoras, conduziram as vítimas até às margens da BR- 267, em um canavial, onde os comerciantes foram obrigados a tirar as roupas. “Pela forma como agiram, foi uma ação planejada”, disse o delegado Almussa. Segundo ele, o fato de terem confinado os passageiros nos bagageiros indica que havia um plano de fuga. “Estamos com uma equipe de investigadores trabalhando no caso, junto com a PRF”, afirmou.

(Com informações do Perfil News)

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".