CIDADES

Greve barra atendimento de 600 pessoas e suspende 30 cirurgias

Greve barra atendimento de 600 pessoas e suspende 30 cirurgias
20/03/2010 03:18 -


A greve dos funcionários do Hospital Regional Rosa Maria Pedrossian e dos centros de hematologia de Campo Grande e Três Lagoas, prossegue sem perspectiva de solução. Os servidores do Regional não atenderam ao apelo do diretor do hospital, Ronaldo Queiroz, que pediu o retorno ao trabalho para abertura de negociação com o Governo. Em dois dias de paralisação, 30 cirurgias eletivas (não urgentes) foram suspensas e 600 pessoas deixaram de ser atendidas no ambulatório. No primeiro dia de greve no Centro de Hematologia de Mato Grosso do Sul (Hemosul), 300 doações de sangue deixaram de ser feitas. O movimento comprometeu ainda procedimentos como captura de medula óssea, transfusão de sangue e aférese (coleta de plaquetas). De acordo com uma funcionária, que não quis se identificar à reportagem, há estoque de sangue para mais alguns dias mesmo com o serviço de doação paralisado. O Hemosul fornece sangue para hospitais de todo o Estado. O comando de greve informa que a partir do momento da retomada ao trabalho, uma campanha será realizada com os servidores da saúde, entre outros funcionários do Estado para que o estoque de sangue seja rapidamente reposto. “Esperamos que o diálogo seja reaberto com o governo para que a situação não chegue a ameaçar os procedimentos médicos, por conta da falta de sangue. Aqui, por enquanto, ninguém vai doar sangue”, continuou a funcionária. Impasse Enquanto o governo oferece reajuste de 4,5%, os servidores querem elevar de R$ 436,00 para R$ 753,00 o salário- base de quem tem ensino fundamental; os com ensino médio, que hoje ganham R$ 524,00, passariam a receber R$ 904,00; os de nível superior,R$ 1.506,00 (ante os R$ 873,00 que recebem hoje.
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".