Campo Grande - MS, sábado, 18 de agosto de 2018

GAUCHÃO

Grêmio vence o Pelotas e ganha tranquilidade

27 MAR 2011Por g118h:22

Talvez tenha mais valor para a Libertadores do que para o Campeonato Gaúcho essa vitória de 3 a 1 conquistada pelo Grêmio na tarde deste domingo, sobre o Pelotas, na Boca do Lobo. Em uma chave embolada no Estadual, o Tricolor alcançou o conforto que precisava com a quase certeza da classificação. O resultado, desenhado com gols de Willian Magrão, Rodolfo e Rafael Marques, dá ao técnico Renato Gaúcho o direito de aumentar o foco na Libertadores, a competição que mais interessa ao clube do Olímpico.

A atuação do Grêmio não foi das melhores. Sem seu capitão, Fábio Rochemback, o time visitante foi muito ameaçado pelo Lobão no primeiro tempo. Quase saiu derrotado. Mas veio a etapa final, e o Tricolor, com muito mais fôlego, alcançou o resultado. Sandro Sotilli marcou o gol do Pelotas.

A vitória levou o Grêmio para nove pontos, na terceira colocação do Grupo B da Taça Farroupilha, mas com um jogo a mais para disputar. O Pelotas, com cinco, segue em quinto, fora da zona de classificação. O Tricolor volta a campo na quarta-feira, em Caxias do Sul, contra o Juventude.


 Pelotas superior ao Grêmio no primeiro tempo
 

Makelele, de passagem discreta pelo Grêmio, resolveu infernizar o ex-clube neste sábado. Ele foi a auto-estrada que ligou a defesa do Pelotas ao ataque com uma velocidade que os tricolores não conseguiram segurar. Faltou pouco para o time de Renato Gaúcho sair perdendo na etapa inicial.

O Lobão teve mais e melhores chances de gol. E quase sempre com Makelele. Ele teve três chutes perigosos: um defendido por Marcelo Grohe, um que passou rente à trave esquerda do goleiro e outro que sobrevoou a baliza. Sandro Sotilli, de cabeça, também ameaçou o Grêmio. Mas a grande oportunidade foi de Clodoaldo. Ele recebeu livre, encaixou o corpo e bateu colocado. Grohe pegou sem grandes problemas.

O Grêmio foi a campo quase completo, excetuados os casos do lateral-esquerdo Gilson e do volante Fábio Rochemback. Mas os atletas pareciam recém-apresentados uns aos outros. Douglas não conseguiu se encontrar na articulação, e Borges acabou pouco acionado no ataque, onde esteve acompanhado por Escudero.

Mas o Tricolor, ressalvada a pouca inspiração, também conseguiu ameaçar. E foi pelo alto. Rodolfo, aos 33 minutos, e Escudero, aos 40, mandaram conclusões parecidas. E forçaram o goleiro Dionattan a defesas igualmente complicadas. Quase.
 

Gols aparecem, e Grêmio vence o jogo

Os gols, ausentes no primeiro tempo, deram as caras na etapa final. Com o garoto Leandro no lugar de Escudero, o Grêmio tentou se tornar mais agressivo. E conseguiu marcar primeiro, mas em uma jogada de atletas de defesa.

Foi aos oito minutos. O zagueiro Rodolfo apareceu pela esquerda e, feito lateral, mandou o cruzamento. A bola passou pela defesa pelotense e foi parar do outro lado. Quem apareceu para concluir foi o volante Willian Magrão. Ele desviou do goleiro e fez a festa.

Mas por apenas um minuto. No ataque seguinte, o Pelotas alcançou o empate. Sandro Sotilli aproveitou cruzamento da esquerda e fez aquilo que virou hábito para ele há anos e mais anos no Gauchão. Marcelo Grohe não teve como salvar a conclusão do goleador: 1 a 1.

O Grêmio, apesar do gol sofrido, logo deu sinais de que estava mais sólido em campo. Leandro, mesmo bem marcado, conseguiu incomodar na frente. O garoto mandou dois chutes cruzados: um por cima, outro defendido por Dionattan. E aí saiu o gol, mas de um zagueiro.

Aos 28 minutos, Douglas apareceu na partida. Foi dele o cruzamento para Rodolfo, de cabeça, recolocar o Grêmio na frente. Com o adversário cansado, restava ao Tricolor administrar o resultado na parte final da partida. Mas ele fez mais do que isso: Rafael Marques, aos 44 minutos, de cabeça, fechou o placar.
 

Leia Também