BRASILEIRÃO

Grêmio vence o Bahia no Olímpico com gols no fim

Grêmio vence o Bahia no Olímpico com gols no fim
05/08/2012 17:21 - terra


O Grêmio conseguiu a manutenção no G-4 com uma vitória sofrida contra o Bahia, no estádio Olímpico, na tarde deste domingo, pela 14ª rodada do Campeonato Brasileiro. O time gaúcho marcou dois gols nos minutos finais do jogo, e garantiu a volta da equipe ao G-4.

A quarta colocação foi recuperada com a ultrapassagem sobre o rival Internacional. Agora, o time gremista chega aos 25 pontos, e diminui a vantagem para o líder Atlético-MG, que teve o jogo da rodada contra o Flamengo adiado, para cinco pontos. Já o Bahia segue na zona de rebaixamento, na 17ª colocação, com 12 pontos.

Na próxima rodada, o Grêmio encara a Ponte Preta, no Moisés Lucarelli, em Campinas, quinta-feira, às 21h. Já o Bahia atua na quarta-feira, às 20h30min, no Pituaçu, em Salvador, contra a Portuguesa.

O primeiro tempo do duelo no Olímpico foi de amplo domínio do time da casa. No entanto, oportunidades claras foram desperdiçadas, principalmente por Marcelo Moreno. O Grêmio só conseguiu a vantagem graças a um pênalti assinalado em Kleber, empurrado na área por Titi, aos 31min. Elano converteu, marcando o primeiro gol a camisa do time gaúcho.

A pressão do Grêmio foi repetida na segunda etapa, assim como as chances criadas. Só que desta vez, o gol de bola parada foi do Bahia. Aos 14min, Mancini cobrou falta na área, e Fahel subiu livre para cabecear e empatar.

No trecho final da partida, o Bahia passou a tocar a bola esperando passar, mas o Grêmio conseguiu a virada aos 43 min com gol de Souza. Tres minutos depois, Marcelo Moreno fez um golaço, e garantiu o retorno do Grêmio ao G-4.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".