GAÚCHO

Grêmio faz 3 e atropela Esportivo fora de casa

Grêmio faz 3 e atropela Esportivo fora de casa
16/02/2014 17:33 - Terra


Com um time misto, já que parte dos titulares puderam descansar após o confronto contra o Nacional-URU na última quinta, pela Copa Libertadores, o Grêmio conseguiu impor seu ritmo de jogo fora de casa neste domingo e atropelou o Esportivo por 3 a 1, na Montanha dos Vinhedos, pela oitava rodada do Campeonato Gaúcho. O triunfo manteve a equipe de Porto Alegre na liderança do Grupo B.

Agora com 15 pontos, o Grêmio disparou no topo da chave, deixando o Novo Hamburgo na vice-liderança para trás, com 11 pontos. O próximo compromisso do time tricolor é diante do Caxias, na quarta-feira, às 22h (de Brasília), em Caxias do Sul.

O Esportivo, por sua vez, segue mal das pernas no torneio estadual. O clube estacionou nos seis pontos e pode até ir para a lanterna do Grupo A, desde que o Aimoré vença o Pelotas, neste domingo. O Esportivo encara, agora, o Brasil, na quinta-feira, em Pelotas.

No confronto deste domingo, o Grêmio não tomou conhecimento do rival desde o início. O primeiro gol saiu ainda aos 6min de bola rolando, após penalidade marcada pela arbitragem. Luan invadiu a área e foi puxado por Agenor. Maxi Rodríguez bateu no canto direito e marcou.

Pouco depois, Agenor acertou o rosto de Maxi Rodríguez, recebeu o segundo amarelo e foi expulso de campo. Aí, ficou ainda mais fácil para o Grêmio. No fim do primeiro tempo, Alan Ruíz cobrou falta para a área e Werley fez de cabeça. Na etapa final, Moisés cruzou por baixo e Everaldo ampliou. Brandão ainda teve tempo de diminuir para o Esportivo, aos 34min.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".