Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

ARTE

'Gravidade' e '12 Anos de Escravidão' lideram indicações ao Bafta

'Gravidade' e '12 Anos de Escravidão' lideram indicações ao Bafta
08/01/2014 19:00 - FOLHA PRESS


"Gravidade", a odisseia espacial do diretor mexicano Alfonso Cuarón, lidera com 12 o número de indicações aos prêmios Bafta, o Oscar britânico, anunciou hoje a academia que concederá as distinções em 16 de fevereiro.

A cerimônia de entrega dos prêmios ocorrerá na Royal Opera House de Londres, com apresentação do ator e escritor britânico Stephen Fry.

O filme de Cuarón, protagonizado por George Clooney e Sandra Bullock -também candidata a melhor atriz- narra o drama de dois astronautas para alcançar uma estação espacial depois de um acidente que os deixa abandonados no espaço.

Sua inclusão no Bafta, entregue pela Academia de Artes Cinematográficas e Televisivas Britânica, se deve que em parte se trate de uma produção britânica.

O filme "12 Anos de Escravidão", do diretor britânico Steve McQueen, é o segundo em número de indicações, com dez, como "Trapaça", do americano David O. Russell, que narra uma curiosa operação do FBI.

Amplamente elogiado pela crítica, o filme "12 Anos de Escravidão" se baseia na autobiografia de Solomon Northup, interpretado por Chiwetel Ejiofor, um negro nascido livre em Nova York, sequestrado em Washington e transformado em escravo no sul dos Estados Unidos.

Como "Gravidade", "12 Anos de Escravidão" e "Trapaça" disputam os principais dos 22 prêmios concedidos, entre eles o de melhor diretor, filme e roteiro.

A lista de candidatos foi divulgada em Londres, na sede da Academia.  

Felpuda


Vêm aumentando que só os disparos de segmentos diversos contra cabecinha coroada que, até então, acreditava voar em céu de brigadeiro. O novo coronavírus chegou, ganhou espaço, continua avançando e atualmente tem sido o melhor cabo eleitoral dos adversários. A continuar assim, sem ações mais eficazes, o estrago político poderá ser grande. Observadores mais atentos têm dito que o momento não é de viver o conto da “Bela Adormecida”. Só!