SONORA

Grávida fica em estado grave ao <br>ser esfaqueada

Grávida fica em estado grave ao <br>ser esfaqueada
16/06/2012 07:19 - GABRIEL MAYMONE


A.C., de 18 anos, grávida de poucos meses, foi transferida em estado grave com hemorragia interna devido a perfuração no pulmão causado por um golpe de faca. Rubens Silva, de 41 anos, foi preso em flagrante após confessar que a atingiu por ela lhe ter atirado uma lata de cerveja. O caso aconteceu na noite de ontem (15) em Sonora (MS).

A policia civil recebeu denuncia de que no local onde a Camila estava, seria um suposto ponto de reunião para adolescentes usarem drogas, mas quando chegou ao local não encontrou ninguém, a casa estava suja de sangue, ao encontrar uma faca com sangue, os policias entraram em contrato com o Hospital.

Populares informaram as características do suspeito aos policiais. Rubens foi encontrado em frente a um bar. Os policiais acompanharam o suspeito até sua casa, no local foi encontrado roubas sujas de sangue, acompanhado das provas os policiais seguiram para a delegacia.

Segundo informações da policia, Rubens passava pela rua, quando Amanda lhe atirou uma lata de cerveja, ele seguiu até sua residência, pegou a faca e voltou onde Amanda estava a abordou perguntando. “esta lembrada de mim?”. E Amanda respondeu que não, neste momento ele lhe atacou.

Amanda recebeu vários golpes em diferentes locais do corpo, foi levada ao hospital municipal e em seguida transferida para Rondonópolis (MT) com hemorragia devido a um golpe no abdome que perfurou o pulmão. Segundo informações ela estaria grávida de poucos meses. 

Com informações do Idest

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".