Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Coari (AM)

Gravação mostra prefeito negociando menor com secretário

27 JAN 14 - 09h:30terra

Uma gravação de agosto de 2007 revelada pelo Fantástico mostra uma conversa do prefeito de Coari (AM), Adail Pinheiro, com o então secretário de Administração Adriano Salan, que supostamente oferece uma menina para o prefeito. Pinheiro é acusado de comandar uma rede de exploração sexual de crianças e adolescentes e de que abusou sexualmente de meninas da cidade.

"Meu irmão, mas é um bebê, chefe. Que sorriso lindo, branquinho, branquinho, gengiva vermelhinha, cabelão", diz o secretário na gravação feita pela Polícia Federal. "Ai, meu Deus, traga", responde o prefeito."Teu número, parceiro. Teu número, vou levar aí", diz o secretário depois.

Outra gravação mostra uma conversa entre o secretário e um aliciador. "Essa menina é da alta sociedade, coisa de doido, bicho, tu vai enlouquecer, tu vai me dar é uns três paus pra namorar com essa mulher", diz o aliciador. "Então um dia, apresenta pro chefe, parceiro. Isso é coisa pro chefe, não é pra mim", respondeu o secretário. "Essa aqui é mulher pra ti, não é pro chefe, é mulherão, mano. O chefe gosta de dente pequeno", completou o aliciador, não identificado.

Em 2009, Adail Pinheiro foi preso pela Polícia Federal após ter sido denunciado pelo Ministério Público do Amazonas por exploração sexual infanto-juvenil e favorecimento à prostituição. As denúncias contra Pinheiro voltaram à tona depois de o programa Fantástico exibir reportagem na qual apresentou denúncias de que ele comanda uma rede de exploração sexual de crianças e adolescentes e de que abusou sexualmente de meninas da cidade. O prefeito negou as acusações e disse que as denúncias são mentirosas.

As denúncias contra Pinheiro mostram que o prefeito responde a 70 processos na Justiça do Amazonas. Apesar da quantidade e gravidade das denúncias, os processos em que Pinheiro figura como réu estariam parados, à espera de julgamento, suscitando a hipótese de ele estar sendo beneficiado por juízes.

O ex-secretário Adriano Salan é apontado pela polícia como um dos responsáveis por atrasar os processos. Ele é oficial de Justiça, mas foi exonerado na segunda-feira, depois da exibição da reportagem do Fantástico.

Desde 2010, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) puniu quatro juízes e investigou mais três – que terminaram inocentados – por relações irregulares com o prefeito de Coari. Dois dos magistrados foram aposentados compulsoriamente por atuar em benefício da prefeitura de Coari, que disputava com a capital amazonense o repasse da arrecadação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre a exploração de petróleo e gás natural em Coari. A atividade petrolífera fez do município o segundo mais rico do Amazonas.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

BRASIL

Sérgio Moro visitou Bolsonaro no hospital neste domingo

EM REPOUSO

Bolsonaro lista no Twitter medidas do governo dos últimos dias

Presidente recebeu no domingo visita do ministro Sergio Moro
SAÚDE

Número de cirurgias bariátricas aumenta 84,73% em sete anos

Estimativa é 13,6 milhões de brasileiros precisem do procedimento
Leilão de itens apreendidos tem produtos a partir de R$ 20
MIL LOTES

Leilão de itens apreendidos tem produtos a partir de R$ 20

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião