Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, quinta, 13 de dezembro de 2018

Atendendo a pedidos

Governo troca comando da Polícia Rodoviária Federal

28 MAR 2011Por Folha19h:22

O governo federal decidiu trocar o comando da Polícia Rodoviária Federal. Prestes a completar oito anos como diretor-geral da corporação, o inspetor Hélio Cardoso Derene perdeu o cargo na tarde desta segunda-feira.

A portaria com a exoneração de Derene vai ser publicada amanhã no "Diário Oficial da União".

Para assumir o comando da PRF, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, escolheu Maria Alice Nascimento Souza, atual superintendente do Paraná. A nomeada enfrenta resistências de representantes sindicais da polícia rodoviária, que a consideram "continuísmo" da atual gestão.

Desde dezembro do ano passado, sindicatos da categoria em 22 Estados e no Distrito Federal pressionavam pela troca de comando. Às vésperas do Carnaval, ameaçaram fazer greve se a reivindicação não fosse atendida.

"A greve foi aprovada, mas está sobrestada porque o Ministério da Justiça abriu uma negociação. Não queremos reajuste salarial, apenas uma gestão mais eficiente", afirma Francisco Von Kossel, presidente do sindicato no Rio Grande do Sul.

Os policiais insatisfeitos com a gestão de Derene criaram uma página na internet para criticar a "apatia" da direção. Incluíram até um "Derenômetro" para contabilizar dias, horas, minutos e segundos que a instituição está sem mudanças na cúpula.

Foram encaminhados ao Ministério da Justiça pelo menos três ofícios assinados por policiais pedindo explicitamente a exoneração da cúpula da PRF diante do "sucateamento dos recursos materiais e humanos", "péssimas condições de trabalho e desmotivação dos servidores".

PLANO DE AÇÃO

O Ministério da Justiça divulgou nota informando que aceitou o pedido de exoneração de Derene, que alegou "questão de foro íntimo" para se desligar do cargo. A nova diretora ganhou prazo de cinco dias úteis para propor um plano de ação para a instituição.

Na mesma nota, o ministério anunciou que será aberta sindicância "para apurar a ausência de fiscalização e a prática de atos ilícitos nas rodovias federais, a falta de planejamento e o mau uso de recursos públicos pela PRF". As denúncias foram alvo de uma reportagem do "Fantástico", da Rede Globo, no último domingo.

Ainda de acordo com o ministério, será aberta uma sindicância para averiguar a atuação do ex-superintendente da PRF no Ceará, Ubiratan Roberto de Paula, denunciado na mesma reportagem pedindo "tolerância" na aplicação de multas a parlamentares e autoridades.

O coordenador-geral de operações da PRF, inspetor Alvarez de Souza Simões, foi exonerado do cargo pelo ministro. Em reunião com policiais, gravada em vídeo, ele chamou de firula o envio de integrantes da corporação para operação de combate ao crime no Rio de Janeiro.

José Eduardo Cardozo determinou ainda que as denúncias sejam encaminhadas ao Ministério Público e à CGU (Controladoria-Geral da União).

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também